quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Anvisa suspende lote de água mineral Valle Vita

A Anvisa determinou a suspensão da distribuição, da comercialização e do uso do lote 300510:18 da Água Mineral Natural, marca Valle Vita, com validade até janeiro de 2016. O produto é fabricado pela empresa Concessionária Mineração Arroio Bonito Ltda.
A Agência tomou esta medida após laudo de análise fiscal emitido pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Estado de Santa Catarina (Lacen-Sc) identificar fungos filamentosos em suspensão. O documento também revela indicativos de falhas de Boas Práticas de Fabricação.

A determinação está na Resolução 2.741/2015, publicada nesta terça-feira (29/8) no Diário Oficial da União (DOU).

Fonte: Anvisa

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Cursos de Nutrição são discutidos em Brasília



Os desafios e as possibilidades das diretrizes curriculares nacionais dos cursos de Nutrição são os focos do II Encontro Nacional de Formação Profissional, que aconteceu dias 24 e 25, em Brasília, e reúne estudantes, coordenadores de cursos de Nutrição e conselheiros do Sistema CFN/CRN. A abertura do evento contou com as presenças do presidente do CFN, Élido Bonomo, e de representantes dos ministérios da Educação, Vinícius Ximenes Muricy da Rocha, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Carolina Chagas, do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Anelise Rizzolo, e do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, Denise Rinehart.

Os discursos da abertura dos trabalhos destacaram a importância da integração entre o ensino, os serviços de saúde e a comunidade, bem como da Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) e da ética na formação profissional. Em seguida, a doutora em Educação, Maria Isabel da Cunha, apresentou as bases e desafios para a construção do conhecimento, na conferência magna. Os participantes promoveram um rico debate sobre a temática.
Os participantes discutiram o contexto atual da formação em saúde; as diretrizes curriculares nacionais para o curso de graduação em Nutrição e a formação do ponto de vista dos estudantes. À tarde, todos estes temas foram discutidos em grupos de trabalho.
O II Encontro Nacional de Formação Profissional também contou com a participação de representantes da Associação Brasileira de Nutrição (Asbran), Ana Maria Rezende; da Federal Nacional de Nutricionistas (FNN), Fátima Fuhro; da Federação Intersindical de Nutricionistas dos Estados de São Paulo, Bahia, Pernambuco, Alagoas, Pará e Mato Grosso do Sul (Febran), representada pela presidente do Sindicato dos Nutricionistas do Pará, Darlene Ramos; da Associação Brasileira de Educação em Nutrição (Abenut), Maísa Beltrame e de membros da Executiva Nacional dos Estudantes.
Fonte CFN - Conselho Federal de Nutricionistas. Disponível em: http://www.cfn.org.br/index.php/cursos-de-nutricao-sao-discutidos-em-brasilia/

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Adolescente tem hepatite grave por beber chá verde para emagrecer



Garota tomava três xícaras de chá verde por dia; nessa quantidade, substância presente no chá é nociva ao fígado
Muitos chás não são inócuos. A prova disso é uma adolescente de 16 anos que tomava três xícaras por dia de chá verde, com a intenção de perder peso. O resultado desse tempo exposto ao excesso de catequina, substância do chá que faz mal ao fígado, foi uma inflamação severa no órgão, que causou uma hepatite. A garota começou a sentir fraqueza, náusea e dores no estômago e nas articulações. As informações são do jornal DailyMail.
"Chá verde não é antioxidante coisa nenhuma", diz hepatologista; substância presente no chá é nociva ao fígado e pode causar falência no órgão
À primeira vista, os médicos pensaram que eram sintomas de uma infecção no trato urinário e prescreveram antibióticos. Depois de duas doses dos remédios, os sintomas persistiram e ficaram mais fortes. Ela, então, foi internada em um hospital no interior da Inglaterra. 
No momento da hospitalização, a garota, que não teve o seu nome revelado, já estava com icterícia, que deixou sua pele e olhos amarelados. A sua condição de saúde era crítica e os médicos, então, descobriram que ela estava com hepatite. A hepatite pode ser causada por vírus ou por substâncias externas, como o álcool e remédios.
Na investigação médica, a moradora do Reino Unido negou ser consumidora de álcool ou de outros medicamentos que poderiam causar danos ao fígado, como o paracetamol ou drogas ilegais. Além disso, ela não havia viajado para locais onde poderia ter contraído vírus que causariam a hepatite, tampouco havia passado por transfusões de sangue. 
Ela informou aos médicos, então, que comprava chá verde pela internet, movida pela promessa de que ele poderia levar à perda de peso.

Fonte: Portal do Consumidor. Disponível em: http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?busca=sim&id=29059

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Nota Pública. Por uma alimentação saudável, adequada e sustentável

Diariamente, a população é bombardeada com informações de origens diversas que prometem o bem-estar e a saúde. Algumas recomendações são totalmente desprovidas de base ou reconhecimento técnico-científico e, muitas vezes, atendem a interesses particulares, coletivos ou de grandes corporações, que perpassam por questões econômicas e mercadológicas. Em alguns casos, beiram o charlatanismo.

Nos veículos de comunicação, especialmente na internet, é propagado que a alimentação saudável e adequada é um dos caminhos essenciais para a obtenção da saúde e do peso ideal. É justamente nessa busca que a população tem acesso aos mais variados tipos de opiniões, achismos, posicionamentos, orientações técnicas, mitos e verdades referentes ao tema.
Preocupado exclusivamente com a saúde das pessoas e a prevenção de doenças crônicas não transmissíveis, como a obesidade, a hipertensão, a diabete e outras, o Conselho Federal de Nutricionistas (CFN) alerta para o fato de que as pessoas devam adotar uma alimentação saudável, adequada e sustentável e que a prescrição de dietas individualizadas e apropriadas a cada objetivo pretendido é ato privativo do nutricionista. Quem não se encaixa nesse perfil não tem direitos garantidos ao atuar ilegalmente ou prestar um desserviço social.
As supostas “dicas de saúde e dietas” apresentadas na internet devem ser analisadas com muita cautela. Os nutricionistas, por exemplo, têm o dever de realizar, unicamente em consulta presencial, a avaliação e o diagnóstico nutricional, bem como prescrever dietas para o indivíduo sob sua responsabilidade (Código de Ética dos Nutricionistas).
O CFN incentiva a produção de conteúdo midiático por qualquer cidadão, em respeito aos princípios democráticos de liberdade de expressão, porém reforça o repúdio a quem usa qualquer meio ou veículo de comunicação para ferir, sem instrumentos administrativos, civis ou legais consistentes, a legitimidade de atuação da categoria, do CFN e dos Conselhos Regionais de Nutricionistas (CRN). Na tentativa de coibir os danos causados à saúde pública e com a finalidade de orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão de nutricionista, que é a essência da gestão do conselho, como determina a Lei nº 6.583, de 20 de outubro de 1978, o CFN adota medidas judiciais cabíveis de proteção da população e edita recomendações sobre temas emergentes na área de alimentação e nutrição. Essa responsabilidade institucional não vai deixar de ser cumprida.
No limite de suas competências, o CFN atua, em nível nacional, com base na legislação já citada. De maneira análoga, funcionam os Conselhos Regionais de Nutricionistas. Na prática, esses limites podem ser ampliados com o apoio dos parceiros, da mídia e do desempenho ético da categoria, cada um com a sua contribuição na esfera pública e social. Não há prerrogativa legal para que o CFN ou qualquer CRN intervenha diretamente em situações relacionadas a pedidos de suspensão, punição ou retirada definitiva de propaganda ou produtos com fins mercadológicos. Deve-se buscar o entendimento, numa perspectiva positiva e propositiva.
O veículo de comunicação que não apura com rigor técnico o seu conteúdo jornalístico, não segue as regras de autorregulamentação propostas pelo Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária (Conar) ou que não está aberto às orientações das entidades do terceiro setor ou dos conselhos da área de Saúde, entre eles o Sistema CFN/CRN, presta um desserviço social, compromete a qualidade do que apresenta e coloca em risco a sua própria credibilidade. O nutricionista também não foge a isso quando age de forma leviana, irresponsável ou antiética ao expor normas da profissão sem critérios teórico-práticos e referências em estudos e pesquisas consolidadas. Essas atitudes refletem em toda a categoria e especialmente na população, fragilizando a luta pela garantia do direito humano à alimentação adequada e da segurança alimentar e nutricional.
O CFN defende as atividades privativas da categoria e pede que os profissionais inscritos no Sistema CFN/CRN se apropriem, cada vez mais, dos assuntos inerentes ao exercício legal de suas funções e conheçam as competências específicas de cada instituição, conselho, sindicato ou associação para saber a quem recorrer em situações pontuais. O conselho quer que o nutricionista seja multiplicador de comportamentos proativos, que mostre o que precisa ser feito, defenda sugestões plausíveis, apoiadas na legislação em vigor, sem apontar caminhos que, no momento, não há condições de serem construídos por limitações jurídicas ou político-institucionais, que são legítimas e estabelecidas independentemente da competência dos Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas.
Aos profissionais habilitados em outras áreas do conhecimento, o CFN pede respeito às especificidades dos nutricionistas. Aos veículos de comunicação, o CFN pede prudência e zelo quanto à divulgação de temas referentes à alimentação, nutrição e às atividades privativas da categoria. Às agências de propaganda e à indústria alimentícia e nutricional, o CFN pede que respeitem os pleitos daqueles que lutam pela regulamentação da publicidade, principalmente a infantil e que priorizem o diálogo.
CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS
Fonte: CFN. Disponível em: http://www.cfn.org.br/index.php/nota-publica-por-uma-alimentacao-saudavel-adequada-e-sustentavel/

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Site traz informações sobre diabetes na infância




Só em 2014 foram registrados mais de um milhão de crianças com diabetes no Brasil. Um site, criado pela USP de Ribeirão Preto, quer ajudar os profissionais e as famílias a lidarem com o problema.

A diabetes tipo 1 é uma doença em que há deficiência na produção da insulina pelo pâncreas. Por isso, quem tem o problema precisa de doses diárias de insulina para controlar os níveis de açúcar no sangue.

Também conhecida como diabetes infanto-juvenil, a doença é geralmente descoberta nos primeiros anos de vida. Atualmente, é a segunda maior doença crônica diagnosticada em crianças. A primeira é a asma.

Os principais sintomas são:
1 – Sede mais intensa
2 – Fome, mas, em vez de engordar, emagrece
3 – Mal-estar, sonolência e tontura
4 – Muitas idas ao banheiro para urinar
5 – Câimbras e formigamentos
6 – Visão embaçada

O site “Crianças com diabetes ”, lançado pela Faculdade de Medicina da USP, de Ribeirão Preto, SP, quer ajudar pais e profissionais, que lidam diretamente com a criança, a apoiá-la para que saiba conviver com a doença com qualidade de vida.

Há vários temas importantes, tratados de forma simples e didática. Um deles é como certas doenças, como a gripe, podem descontrolar a diabetes. Outro é o bullying sofrido por crianças diabéticas. Tópicos que tratam da alimentação e do aconselhamento escolar também trazem orientações bem completas.

Voltado especialmente aos adultos, um link mostra a importância de se garantir à criança o atendimento de uma equipe multidisciplinar (das várias áreas da Saúde).

Fonte: EBC. Disponível em: http://www.ebc.com.br/infantil/para-pais/2015/09/site-traz-informacoes-sobre-diabetes-na-infancia#

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Anvisa proíbe lotes de chás



A Anvisa proibiu a fabricação, a distribuição, a comercialização e o uso de todos os lotes do Chá Misto Camomila e Cidreira; do Chá Misto Maçã e Hortelã Dia e do Chá Misto Maçã e Canela, da marca Da China. A Agência também proibiu o Chá Noite Tranquila Aromático, da marca Chileno. Os produtos são fabricados  pela empresa Laboratório Industrial Vida e Saúde Ltda.

De acordo com a Resolução 2.671/2015publicada nesta segunda-feira (21/9) no Diário Oficial da União (DOU), os produtos estão de desacordo  com a legislação vigente.
Segundo a norma, o Chá Misto Camomila e Cidreira e o Chá Misto Maçã e Hortelã Dia contém a falsa indicação para lactentes. Já o Chá Misto Maçã e Canela contém a espécie vegetal "Casca de Jabuticaba (Myrciaria cauliflora)", sem previsão de uso para preparo da bebida.  O Chá Noite Tranquila Aromático contém a espécie vegetal "Anis estrelado", também sem previsão de uso.


Fonte: Anvisa

segunda-feira, 21 de setembro de 2015




O CFN ajuizou, em 2013, Ação Civil Pública contra a Agência Nacional de Saúde Suplementar para constar no Rol de Procedimentos de Eventos de Saúde que o nutricionista pode solicitar exames laboratoriais para acompanhamento dietoterápico. O processo está no TRF/1ª Região para julgamento. Saiba mais em: http://goo.gl/yW19LJ.


Fonte: CFN

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

10 dicas de como reduzir o desperdício de alimentos



A campanha da ONU “pensar, comer, conservar”, sugere algumas dicas para reduzir esse desperdício no nosso dia a dia. Vamos colocá-las em prática?
1. Faça compras de maneira inteligente
Planeje suas refeições, faça listas de compras, evite fazer compras por impulso. Não se deixe levar por estratégias de mercado que querem te convencer a comprar mais do que você precisa.
2. Compre “frutas feias”
Em muitos casos, frutas são jogados no lixo porque apresentam tamanho, formato e cor “inadequados”. Comprando essas frutas que, na verdade, estão em perfeitas condições para o consumo, você está utilizando comida que seria descartada. O mesmo vale para legumes e verduras.
3. Entenda as datas de vencimento
Consuma o produto até a data indicada na embalagem ou verifique se você pode congelá-lo.
4. Zere a geladeira antes de uma nova compra
Coma alimentos que já estão na sua geladeira antes de comprar mais ou preparar algo novo. Essa atitude vai economizar o seu tempo e dinheiro.
5. Use o congelador
Alimentos congelados se mantém seguros indefinidamente. Congele produtos frescos e sobras de refeições se você sabe que não vai consumir nos próximos dias, para usá-las em outra ocasião.
6. Peça porções menores
Frequentemente, restaurantes oferecem meias-porções por preços menores. Se você mora sozinho e não tem embalagem pequena do produto que costuma usar, divida com vizinhos.
7. Faça compostagem
Você pode reduzir o impacto sobre o clima fazendo a compostagem de restos de comida. Compostagem também recicla nutrientes, que são aproveitados pela terra.
8. Tenha regras na sua cozinha
Atitudes como o primeiro produto que for aberto deverá ser consumido até o fim antes de abrir um novo ajudam a conter o desperdício. Tenha controle sobre a sua dispensa. Cozinhe e coma antes o que você comprou primeiro. Armazene os enlatados mais novos no fundo das prateleiras. Mantenha os mais velhos na frente para facilitar o acesso.
9. Reutilize as sobras das refeições
Crie receitas a partir das sobras. O arroz que sobrou do jantar de hoje pode ser aproveitado como bolinho no almoço de amanhã. Seja criativo! No restaurante, leve as sobras para casa para comer mais tarde. Congele as sobras se você não quiser comer imediatamente.
10. Faça doações
Alimentos não-perecíveis e alimentos perecíveis que ainda apresentam boas condições de consumo podem ser doados para entidades assistenciais, por exemplo.


Fonte: Consumidor.gov. Disponível em: http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?busca=sim&id=29000

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Procon-RJ interdita um quiosque da orla de Copacabana e autua 11 no total



O Procon-RJ realizou nesta segunda-feira(14/09) uma nova etapa da Operação Limpando a Raia, fiscalizando quiosques na orla de Copacabana e Leme. Dos 47 estabelecimentos vistoriados, 11 foram autuados e um deles foi interditado. Outros 36 quiosques não apresentaram irregularidades. Foram descartados pelos fiscais 32kg e 85g de alimentos impróprios ao consumo e 271 litros de chope inadequados para serem comercializados.

O Quiosque 07, em Copacabana, foi interditoado por não apresentar aos fiscais o alvará de funcionamento e o certificado Corpo de Bombeiros. O estabelecimento ficará sem poder funcionar até que os documentos, dentro do prazo de validade, sejam apresentados a autarquia.

Na Rainbow Pizzaria, quiosque 08 da Orla de Copacabana, os fiscais encontraram, em uso, um barril de chope de 50 litros que estava vencido desde o dia 10 deste mês. Ainda havia 43 litros para ser usado. Além disso, eles identificaram mais quatro barris vencidos de chope de 50 litros, que ainda não havia sido utilizado, vencidos na mesma data. Todo esse chope foi inutilizado pelo responsável na presença dos fiscais.

No Quiosque 16, do Habib's, os fiscais encontraram baratas em uma travessa de fubá, contendo 12 kg do produto. O fuba foi descartado e os agentes determinaram a limpeza e higienização do utensílio em que ele estava. Apesar de a dedetização estar em dia, o proprietário deverá reforça-la e comprovar junto ao Procon-RJ.

Já no quiosque Pizza in Cone, além de serem encontrados produtos sem especificação, com odor pútrido e em contato com outros em bom estado no mesmo recipiente, os fiscais também descartaram 28 litros de chope, em um barril de 50 litros engatado, sem o lacre do fornecedor.

Os 36 quiosques vistoriados que não apresentaram irregularidades são: dois Quiosques Coca-Cola (43, 46- 47); Quiosque Praia Lanches; Quiosque Botequim Carioca (44); Quiosque 34; Quiosque 41; Quiosque 42; Quiosque 28; Quiosque 27; Quiosque 26; Quiosque 25; quatro Quiosques Brahma (10, 19, 38, 40); Quiosque 24; Sapore D'Italia (32); Coisa de Carioca (Quiosques 29 e 30); Quiosque Deck Zero Nove (9); Quiosque 22; Quiosque Axé Rio (21); Quiosque Geneal (20); Quiosque 06 (Copacabana); Quiosque Ticketcenter 12 ( Leme); Quiosque Marítimo Carioca (04); Quiosque Juliana Lanches (03); Quiosque 06 (Leme); Quiosque Lido (01-02); dois Quiosques Praia Skol (07 e 08); Quiosque 01 (Leme); Quiosque 02 (Leme) ; Espeto Carioca; Pedra do Leme; Quiosque Poty do Leme (14); Quiosque Coco Verde (13).

Balanço da Operação Limpando a Raia

1 - Quiosque 33: Produto vencido: 900 g de manjubinha.

2 -Quiosque 39 (Boteco da Orla): Havia 300g de pão de forma vencido.

3 -Quiosque 31 (Sapore D'Italia): Não há tabela de preços de venda para cigarro. Determinada a suspensão da venda até que se tenha a tabela em local visível para o consumidor, sob pena do crime de desobediência. Produtos sem especificação: 1k de pepperone; 1kg e 300g de molho de tomate; 600 g de molho branco; 800 g de frango empanado.

4 - Quiosque 37 (Pizza in Cone): Produtos sem especificação, com odor pútrido e em contato uns com os outros no mesmo recipiente: 750g de Lula; 2kg de bolinho de bacalhau; 1kg de peixe; 500g de camarão. Havia 28 litros de chope (em barril de 50 litros) engatado sem especificação (sem o lacre do fornecedor).

5 - Quiosque 16 (Habib's): Encontrado baratas em uma travessa de fubá contendo 12 kg do produto e na peneira. Produto descartado e determinada a limpeza e higienização dos utensílios. Apesar de a dedetização estar em dia, foi solicitado reforço e comprovação do mesmo na sede do Procon/RJ.

6 -Quiosque 07 (Cerveja Itaipava): Ausência de alvará de funcionamento. Ausência de certificado Corpo de Bombeiros. Interditado.

7 -Quiosque 08 (Rainbow Pizzaria): Havia 4 barris de chope de 50 litros, cada, desconectados vencido em 09/10/15 e 1 barril de chope de 50 litros, vencido em 10/09/15, conectado, contendo 43 litros. O chope foi inutilizado pelo responsável na presença dos fiscais.

8- Quiosque 11 (Espeto Carioca): Dedetização vencida em agosto/15, prazo de 15 dias para renovar.

9 - Quiosque 13 (Costelo): Produtos vencidos: 500 g de molho tomate e 500 g de casquinha de siri.

10 - Quiosque 11 (Mirante do Leme): Ausência do Livro de Reclamações.

11 - Quiosque 17 e 18 (Gosto do Mar): Produtos vencidos: 8kg e 245g de picanha em tiras; 1kg e 690g de picanha em tiras.



Fonte: Portal do Consumidor. Disponível em: http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?busca=sim&id=28985

sábado, 12 de setembro de 2015

Participação na VI Jornada Acadêmica de Nutrição Unilasalle


Nossa nutricionista, Juliana Vieceli, participou, no dia 11/09, da VI Jornada Acadêmica de Nutrição Unilasalle. O tema da palestra foi sobre a Atuação do Nutricionista nas Unidades de Alimentação Nutrição.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Na crise, aprenda a substituir alimentos ‘clássicos’ e veja dicas para economizar nas compras


Os aumentos registrados na pesquisa da cesta básica feita pelo Dieese no Rio de Janeiro são justamente nos ingredientes clássicos do café da manhã e almoço dos cariocas: leite, café, pão, arroz, feijão e carne. A nutricionista clínica Gisela Peres afirma que é possível substituir os alimentos por outros, tão nutritivos quanto, mas que essa tarefa é complicada para muitas famílias:
— As pessoas estão muito acostumadas, mas podem mudar a maneira que comem e experimentar novos pratos no dia a dia. Na internet, é possível procurar novas receitas que não excluem os ingredientes completamente, mas aumentam o rendimento.
Gisela lembra que incrementar as refeições com frutas, verduras e legumes é uma atitude saudável e econômica, já que diminui a quantidade de feijão e arroz necessária para satisfazer o consumidor.
Para contornar os efeitos da inflação, Daniel Plá, professor de varejo da FGV, recomenda que os consumidores não só adotem novos alimentos nos seus cardápios, como também desapeguem de rótulos:
— Trocar uma marca tradicional por uma mais barata garante muita economia, sem significar perder qualidade. Outra coisa é prestar atenção nas embalagens. O leite em pó, por exemplo, fica mais barato em sachê do que em latas.
O especialista da FGV destaca que o ideal é deixar para fazer compras na última semana do mês:
— Os comerciantes ficam desesperados nessa época, pois o movimento é menor, e fazem ótimas ofertas.
De acordo com Plá, comparar preços é fundamental para saber se optar por substitutos é mesmo um bom negócio:
— Os mercados utilizam a estratégia “boi de piranha”, ou seja, anunciam ofertas imperdíveis que atraem os consumidores. Se a promoção for boa mesmo, compre e estoque para os próximos meses, mas não caia na armadilha de fazer outras compras por impulso no estabelecimento.


Fonte: Portal do Consumidor. Disponível em: http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?busca=sim&id=28934

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Farinha de arroz é indicada principalmente para pessoas celíacas


As farinhas estão presentes no cardápio dos brasileiros das mais diversas formas. São utilizadas no preparo de pães, bolos e massas. Recentemente, no entanto, elas têm sido destaque na mídia como ingrediente essencial para garantir o equilíbrio da dieta, e, com isso, variações da tradicional farinha de trigo estão ganhando espaço no mercado e conquistando o paladar brasileiro. 
O processo de produção da farinha consiste basicamente na moagem do produto como o trigo ou arroz. Dessa forma, ela mantém todos os nutrientes e atua na prevenção de diversas doenças e ainda fornece vitaminas e minerais essenciais para o bom funcionamento do organismo. 
A variação mais comum e mais utilizada atualmente é a farinha de arroz, que é conhecida principalmente por não possuir glúten, e, por isso, pode ser consumida por pessoas com doença celíaca ou intolerância à proteína. Ela também pode ser encontrada na versão integral e ambas apresentam muitos benefícios, como um índice glicêmico bem baixo, o que auxilia no controle do diabetes e doenças do coração. Como mantém as mesmas características do arroz polido, além do amido, a farinha também reduz a absorção de óleos vegetais dos alimentos, tornando-os menos calóricos. 
A farinha de arroz também é rica em proteínas, fibras e vitaminas B1, B2, B5 e B6, cálcio e zinco. Ela auxilia o funcionamento do intestino e a diminuição do colesterol. Vale ressaltar que a principal diferença entre a farinha de arroz normal e a integral é a quantidade de fibras e magnésio. A versão integral, que não passa pelo processo de refinamento, mantém uma quantidade maior e mais concentrada de magnésio e fibras. 
Outro ponto importante para inserir a farinha na dieta é a fibra encontrada no alimento. O arroz contém fibras insolúveis, que ajudam a mover resíduos através do intestino. Além disso, como sabemos, uma dieta rica em fibras pode ajudar na redução do colesterol e melhorar os níveis de açúcar no sangue. 
A farinha de arroz é um substituto adequado e saudável para a farinha de trigo. Na culinária, alguns afirmam que a massa pode perder um pouco a elasticidade, mas o sabor é mantido. É importante alertar que o consumo da farinha de arroz precisa ser controlado, pois, se ingerida em excesso, pode causar problemas, soltando o intestino, devido a grande concentração de fibras.