quarta-feira, 29 de abril de 2015

Pesquisa mostra que só 24% da população consomem o necessário de frutas e hortaliças


 O brasileiro tem caprichado mais no que coloca diariamente em seu prato, mas ainda peca pela grande quantidade de carne gordurosa e refrigerante em contraposição ao baixo número de porções de frutas e hortaliças ingeridas. De acordo com a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico ( Vigitel 2014) — feita pelo Ministério da Saúde nas 27 capitais, durante o lançamento do guia “Alimentos regionais brasileiros” —, apesar do aumento na ingestão dos vegetais, apenas um em cada quatro brasileiros come a quantidade ideal recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Além disso, mesmo com a queda no consumo de carne gordurosa, três em cada dez brasileiros ainda comem esse tipo de alimento.

DA FOME À OBESIDADE

Durante a divulgação do guia — que pode ser baixado no site do Ministério da Saúde ( saude. gov. br) —, o ministro Arthur Chioro lembrou que as doenças infectocontagiosas não são mais a principal causa de morte no Brasil, mas as crônico- degenerativas, responsáveis por dois terços dos óbitos. Essas doenças, disse o ministro, têm fortíssima ligação com a alimentação.

— Saímos de uma situação vexatória de desnutrição infantil para a situação oposta. Hoje um terço das crianças brasileiras têm sobrepeso, obesidade — afirmou Chioro.

Segundo o ministério, apenas 24,1% dos brasileiros comem diariamente pelo menos 400 gramas de frutas e hortaliças em cinco ou mais dias da semana. Em 2007, o índice era de 20%. O consumo é maior entre as mulheres.

— O homem adulto se cuida menos do que as mulheres. Ela é mais cobrada socialmente e, por isso, tem maior preocupação com a aparência. Essa é uma questão social e cultural — observou Renata.

Em 2008, 23,7% das mulheres pesquisadas consumiam 400 gramas por dia de frutas e hortaliças. E, em 2014, esse índice foi para 28,2%. Já entre os homens, os números saltaram de 15,8% para 19,3%. Florianópolis é a capital em que há maior consumo desses tipos de alimentos ( 35%), e Belém, a pior avaliada ( 15%). Nenhuma capital do Nordeste figura entre as dez cidades que mais consomem hortaliças e frutas.

OPÇÃO DEVE SER POR PEIXES E AVES

Em relação ao consumo de carne com gordura, o índice caiu de 32,3%, em 2007, para 29,4%, em 2014. Novamente, os homens têm hábitos menos saudáveis: 38,4% consomem essa carne, contra 21,7% de mulheres. O consumo de carne com gordura é maior no Centro- Oeste, região importante na agropecuária. Cuiabá ficou em primeiro lugar ( 43,7%), seguida de Campo Grande (39,7%) e Goiânia ( 36,8%). Na outra ponta da tabela está Salvador ( 21,1%).

— A carne vermelha é muito consumida no país, e o homem sempre consumiu mais do que a mulher. É importante que se dê preferência a peixes e aves, sem pele. Recomendo o consumo quatro vezes por semana. Mas, se o gosto for mais por carne vermelha, que seja de boi, não de porco. E alcatra, por exemplo. Picanha é a predileta? Então, coma sem a gordura e uma vez na semana só — recomenda Patrícia Prada, professora de Nutrição da Unicamp.

Entre os números divulgados, também se destaca o de ingestão de refrigerantes, que caiu 20% nos últimos seis anos. Segundo a pesquisa, um em cada cinco (20,8%) toma refrigerante cinco vezes ou mais por semana. Os homens são os que mais consomem o produto: 23,9% contra 18,2% das mulheres. Ainda em relação ao refrigerante, Sul e Centro- Oeste são os que lideram o ranking de consumo: Porto Alegre (29%), seguida de Goiânia (27%), Cuiabá (26%) e Curitiba (26%). Em Natal, última capital na lista, o número despenca para 7%.

FEIJÃO É PREFERÊNCIA NACIONAL

Entre todos os alimentos pesquisados, o feijão, segundo a pesquisa, é a preferência nacional. Dois em cada três (66%) brasileiros comem a leguminosa pelo menos cinco vezes por semana. Entre os homens, o índice é de 73%. Entre as mulheres, de 61%.

As cidades onde mais se come feijão são Belo Horizonte (81,3%), do famoso tutu mineiro; Goiânia (81,3%); Brasília (79,2%); e Cuiabá (77,6%). Em Macapá, só 37,8% consomem esse alimento.

O guia “Alimentos regionais brasileiros” contém informações nutricionais de 193 alimentos, divididos por região e também por tipo: frutas; hortaliças; leguminosas; tubérculos, raízes e cereais; farinhas e preparações; ervas, condimentos e temperos. Estão à disposição também várias receitas com esses alimentos feitas por chefs de cozinha de todo o país.

Fonte : CFN

Nenhum comentário:

Postar um comentário