sábado, 17 de maio de 2014

Consumo de álcool no Brasil cai, mas ainda supera média mundial, diz OMS


O abuso no consumo de álcool no Brasil caiu nos últimos dez anos, mas ainda supera a média mundial. Os dados fazem parte de um levantamento de dados de 194 países divulgado nesta segunda-feira pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo o órgão, o consumo excessivo de bebida alcoólica causou 3,3 milhões de mortes no mundo em 2012 — ou 5,9% de todos os óbitos no ano.
De acordo com dados mais recentes da OMS, o consumo médio de álcool no mundo entre pessoas acima de 15 anos em 2010 era de 6,2 litros por ano por indivíduo. Já no Brasil, uma pessoa dessa faixa etária ingere, em média, 8,7 litros de álcool por ano — há dez anos, o índice era de 9,8 litros. A OMS prevê, no entanto, que a ingestão no Brasil pode voltar a crescer, ultrapassando 10 litros por ano por pessoa. Nas estimativas, é considerado apenas o volume de álcool ingerido, não o volume total da bebida.
O consumo de álcool entre os brasileiros é maior entre os homens. Em média, eles bebem 13 litros por ano, ante 4 litros anuais entre mulheres. Cerca de 60% do consumo total de álcool entre os brasileiros é representado pela cerveja.
Comparação — A Europa é a região do mundo com maior consumo de álcool por pessoa: 10,9 litros ao ano. No Leste Europeu, esse consumo ultrapassa os 12,5 litros anuais. Alguns dos países que mais ingerem álcool no mundo são Bielorrússia (17,5 litros por pessoa por ano), Lituânia (15,4 litros) e Rússia (15,1 litros).
A segunda região do globo que apresenta o consumo mais elevado de álcool é a América Latina — são 8,4 litros por pessoa anualmente, em média. Os países com a maior ingestão de álcool por pessoa na região são Chile (9,6 litros ao ano), Argentina (9,3 litros), Venezuela (8,9 litros), Paraguai (8,8 litros) e, em quinto lugar, o Brasil (8,7 litros).
Excesso — O que mais preocupa a OMS são os casos de abuso no consumo. Segundo a OMS, a bebida alcoólica não apenas pode provocar dependência, mas também levar ao desenvolvimento de outras 200 doenças. "É preciso fazer mais para proteger a população das consequências negativas à saúde do consumo de álcool", disse Oleg Chestnov, especialista em doenças crônicas e saúde mental da entidade.

Fonte: Veja - online

Nenhum comentário:

Postar um comentário