sexta-feira, 28 de março de 2014

Consumo alimentar e atividade física

 


A preocupação com a saúde tem levado grande número de pessoas à busca pela melhor qualidade de vida, através da prática de atividade física e alimentação adequada. De acordo com estudo recente, a grande procura por academia frequentemente está relacionada com o visual estético e na maioria dos casos com o aumento de massa muscular, principalmente por praticantes de musculação, os quais muitas vezes acreditam que proteína (PTN) adicional aumenta a força e melhora o desempenho. Deste modo, estudo recente teve como objetivo avaliar o consumo de proteína de 23 praticantes de musculação que objetivam hipertrofia muscular em uma academia do interior do Estado do Rio Grande do Sul. De acordo com os resultados, a média de ingestão de proteína foi de 1,7g/kg, fato que sugere que a amostra não se caracteriza por apresentar o consumo de PTN acima ou abaixo do recomendado, tendo característica de dieta hiperproteica. Outro estudo foi desenvolvido com o objetivo de investigar os efeitos agudos e de curto prazo (2 horas) de diferentes intensidades de exercício aeróbio sobre o gasto energético pós-exercício, a razão de troca respiratória (QR) e a sensação de fome em 20 homens, sendo que todos os sujeitos foram submetidos, aleatoriamente, a quatro condições experimentais: controle (sem exercício); EBI, exercício de baixa intensidade (40% do VO2pico); EMI, exercício de moderada intensidade (60% do VO2pico) e EAI, exercício de alta intensidade (80% do VO2pico). A magnitude do (EPOC - consumo excessivo de oxigênio após o exercício) e o comportamento do QR foram mensurados através de análise direta de gases. Os resultados demonstraram que o EPOC teve uma correlação positiva com a intensidade do exercício, sendo a duração e a magnitude dependentes da intensidade do exercício. Entre todas as condições experimentais, a sensação de fome ao término do exercício foi maior no EBI. Ao longo do período de 120 minutos de recuperação passiva, a sensação de fome aumentou independente da condição experimental. A partir dos resultados, sugere-se que após o EAI a magnitude do EPOC é maior, promovendo maior gasto energético no pós-exercício, com um concomitante aumento na utilização de gordura (menor QR) e supressão transitória da sensação de fome em adultos jovens. Os dados dos estudos relacionam a prática de atividade física com o consumo alimentar, sendo que esta associação deve ser feita com o acompanhamento nutricional, para que a ingestão alimentar seja feita de forma adequada e equilibrada, tanto em relação aos macro e micronutrientes, como em relação à quantidade de alimentos a ser consumida em cada etapa da prática de atividade física.

Fontes: Menon, Daiane; Santos, Jacqueline Schaurich dos. Consumo de proteína por praticantes de musculação que objetivam hipertrofia muscular. Rev. bras. med. esporte; 18(1): 8-12, jan.-fev. 2012. Lins, Tatiana Acioli; Neves, Pedro Rogério da Silva; Costa, Manoel da Cunha; et al. Efeitos de diferentes intensidades de exercício sobre o gasto energético e a sensação de fome em jovens. Rev. bras. cineantropom. desempenho hum; 12(5)2010. 27/mar/2014 - Nutrição Esportiva

Nenhum comentário:

Postar um comentário