sábado, 22 de março de 2014

As Nações Unidas comemoram neste 22 de março o Dia Mundial da Água com um apelo a favor dos consumidores


Em comunicado, a relatora independente da organização para o direito humano à água e ao saneamento básico alerta para os problemas de escassez do recurso devido às alterações climáticas.
Serviços
Segundo Catarina de Albuquerque, dentro dos próximos 15 anos, a metade do mundo poderá viver em áreas consideradas de "pressão no consumo e fornecimento de água."
Em entrevista à Rádio ONU, de Lisboa, a relatora afirmou que os países têm que priorizar as pessoas na hora de alocarem os serviços de água. Segundo ela, as altas taxas de energia por exemplo deixam a água mais cara para os consumidores.
"Não podemos olhar para as tarifas de eletricidade como uma questão meramente técnica. Uma vez que nós sabemos que o aumento das tarifas de eletricidade ou a diminuição dos subsídios à eletricidade, se não for feito nada, do ponto de vista de políticas públicas, vai ter um efeito direto no preço da água. E nós também sabemos, que do ponto de direitos humanos, a água tem que ser acessível do ponto de vista econômico. E não pode impedir as pessoas, as famílias de exercerem outros direitos como o direito à alimentação ou o direito à saúde."
Mau Gerenciamento
A relatora da ONU afirmou ainda que a demanda de água para a produção de energia deverá dobrar até 2035. De acordo com Catarina de Albuquerque, o mau gerenciamento da água tem um efeito direto para as partes mais pobres da população.
Segundo ela, a receita é simples: é preciso colocar o consumidor em primeiro lugar. Além disso, a prioridade dos países tem que ser dada ao consumo da água para fins pessoais e domésticos.
Para a relatora da ONU, a água e a energia estão interligadas assim como o preço dos dois serviços. E os consumidores não têm que gastar grande parte do orçamento para comprar água.

Fonte: ONU Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário