quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Obesidade: um dos grandes males do novo século


1) Por que a obesidade é considerada um dos grandes males do novo século?
A obesidade está presente em dois terços da população humana mundial. Ela é muito mais que um problema estético, é um problema de qualidade de vida que interfere diretamente na função dos órgãos e sistemas do corpo humano. O sobrepeso tem sido considerado um dos maiores problemas de saúde pública de muitos países. Alimentos como doces, carnes gordas, queijo amarelo e manteiga são considerados os grandes vilões da história, já que são lipídios de natureza gordurosa.

2) Quais são os órgãos mais afetados pela obesidade?
O que muita gente não sabe é que os órgãos mais afetados são os tecidos musculares. Os lipídios que se localizam sob forma de gotículas de gordura dentro das células musculares podem, em alguns casos, alterar todo o bom funcionamento energético tanto do tecido muscular esquelético quanto do cardíaco.

O tecido muscular esquelético constitui a maior parte da musculatura do corpo de qualquer ser vivo vertebrado, recobrindo totalmente o esqueleto. Por isso, o acúmulo exagerado de gordura pode prejudicar a prática de esportes físicos, diminuindo a performance da pessoa e acarretando problemas como a atrofia secundária, principalmente nos idosos.

Já em relação aos tecidos musculares cardíacos, a obesidade pode ser ainda mais prejudicial. Muitas vezes, a obesidade pode levar as pessoas a desenvolverem uma insuficiência cardíaca precoce. Isso porque o transporte de sangue e as trocas gasosas do corpo humano têm um limite por célula desenvolvido pela natureza que não se suporta com o aumento exagerado do peso.

3) O que deve ser feito para modificar este quadro?
É dever da ciência, de pesquisadores e de médicos alertarem a população sobre os riscos que a obesidade pode trazer. Deve-se resgatar a melhor qualidade de vida para todos aqueles que, diante das novas maravilhas do mundo tecnológico, acabaram esquecendo que praticar exercícios físicos é essencial.

O tratamento da obesidade deve ser reconhecido como uma doença e, por isso, o controle alimentar, a qualidade dos alimentos ingeridos e a prática de atividades físicas devem ser supervisionadas por um médico.



Fonte/Autor: Dr. Beny Schmidt, Chefe do Laboratório de Patologia Neuromuscular e professor adjunto de Patologia Cirúrgica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Ele e sua equipe são responsáveis pelo maior acervo de doenças musculares do mundo, com mais de dez mil biópsias realizadas, e ajudou a localizar, dentro da célula muscular, a proteína indispensável para o bom funcionamento do músculo esquelético - a distrofina. Beny Schmidt possui larga experiência na área de medicina esportiva, na qual já realizou consultorias para a liberação de jogadores no futebol profissional e atletas olímpicos. Foi um dos criadores do primeiro Centro Científico Esportivo do Brasil, atual Reffis, do São Paulo Futebol Clube, e do CECAP (Centro Esportivo Clube Atlético Paulistano).

Nenhum comentário:

Postar um comentário