segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Não deixe que uma pedra fique em seu caminho nesse verão



Só de pensar em ter pedras nos rins dá a maior aflição, não é mesmo? Imagine tantas coisas bacanas pra fazer durante o verão, lugares e pessoas pra conhecer, esportes para praticar, comidas e bebidas para experimentar e você com essa dor insuportável? Pois é, o cálculo renal é mais comum do que muita gente pensa e nessa época do ano o problema pode piorar.


Segundo o Centro de Referência em Saúde do Homem, no verão, o calor intenso aliado à transpiração excessiva e à falta de ingestão adequada de líquidos, principalmente a água, podem facilitar o surgimento das temidas “pedras nos rins”. Nesse período os problemas com o cálculo renal aumentam em até 30%, atingindo toda a população, mas principalmente os homens. Por isso, fique atento e leia essa matéria até o fim!


Conversamos com três especialistas, os urologistas Claudio Murda, do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo – do Hospital das Clínicas, da Universidade de São Paulo (USP) e Centro de Referência da Saúde do Homem – e Eduardo Bertero, das clínicas privadas dos hospitais Albert Eisnten, Oswaldo Cruz e São Luis, e com a nutricionista, Natalia Perazzolo. Confira:


Causas

As pedras nos rins ou cálculos urinários são causados pela precipitação de sais na urina e principal causa é a baixa ingestão hídrica, ou seja, ingerir pouco líquido. “Outra causa é o excesso de sal na dieta que, quando filtrado no rim, leva junto cálcio que precipita e forma a pedra. Pacientes com ácido úrico elevado, doenças como hiperparatireoidismo e aqueles que tomam alguns medicamentos também têm maior propensão a formação dos cálculos” explica Claudio Murda.


Cálculo renal x verão

Com o clima tropical de nosso país e as altas temperaturas do verão, a perda de líquidos por transpiração acelera, e consequentemente a formação de urina pelos rins diminui. “Devido a esse calor excessivo a precipitação de soluto aumenta, e formam-se os cristais em quem já possui uma tendência ao cálculo. Por esse motivo sempre costumo dizer aos meus pacientes que a coloração da urina tem que estar sempre clara, que é um sinal que de o solvente está em boa proporção e não irá ocorrer a supersaturação do soluto, assim prevenindo a formação de cálculos” finaliza.




Tratamento 

A principal forma de se evitar a formação do cálculo é ingerir bastante líquido, principalmente água e sucos de limão e laranja. “Os sucos dessas frutas contém citratos, que evitam a formação dos cálculos. Além disso, reduzir o sal da dieta também diminui a formação dos cálculos. Depois que eles se formam, dificilmente conseguimos tratá-los com medicação e o paciente muitas vezes precisa de algum procedimento. Felizmente, atualmente os procedimentos minimamente invasivos conseguem resolver os cálculos e quase nunca é preciso um procedimento cirúrgico maior”, afirma Murda.


Tratamentos mais específicos com medicações dependem de exames de sangue e urina, que são realizados em pacientes que logo de cara já possuem muitos cálculos. “Existem ainda cálculos de infecção que são mais graves e prejudicam mais frequentemente o rim. Esses são chamados de coraliformes, que acabam tomando a via urinária do rim todo”.


Histórico Familiar

Segundo Eduardo Bertero, os casos mais frequentes de pedras nos rins são entre os homens – principalmente aqueles entre os 20 e 40 anos e os que já tiveram algum caso na família. “Indivíduos com familiares portando cálculos urinários têm um risco duas vezes maior de ter o problema”.


Alimentação

Em geral, a pedra nos rins, ou nefrolitiase, ocorre devido a anormalidades na composição da urina, mas a alimentação também pode ajudar a piorar o problema.

Segundo a nutricionista Natalia Perazzolo, existem os alimentos que chamamos de promotores de cristalização, ou seja, nutrientes e compostos metabólicos que aumentam as pedras e existem os inibidores de cristalização, que são alimentos e nutrientes que diminuem a formação das pedras. 

No verão atenção redobrada aos alimentos com muito sal, ou seja, ricos em sódio, frituras e alimentos industrializados. “A dieta exerce papel relevante na eliminação, via urina, tantos dos promotores quanto dos inibidores", diz.

"A ingestão de líquidos é altamente recomendada para pacientes litiásicos – nome dado a pacientes com pedra nos rins – ou para quem quer evitar o problema, por aumentar o volume urinário e reduzir a concentração dos agentes formadores da pedra. Pessoas com ou sem o problema devem ingerir aproximadamente 30 ml de líquidos/kg/dia, o que corresponderia, em média, a 2,1 a 2,5 litros de líquidos por dia, preferencialmente água, sucos de fruta, chás de frutas, flores ou ervas”. Mas a nutricionista faz uma alerta: “Muita atenção e cuidado com os chás preto e chá mate, eles devem ser consumidos com moderação, pois são fonte de oxalato e as bebidas alcoólicas também são prejudiciais, por conterem purinas aumentam a formação dos cálculos” finaliza.


Alimentos que estimulam o aparecimento das pedras no rins

- ricos em oxalato: espinafre cozido, beterraba cozida e cacau em pó;

- ricos em sódio: enlatados ou conservados em salmoura; 

- ricos em purinas: bacon, vitela, truta, mariscos, sardinha, arenque, anchova e pato;

- temperos e molhos industrializados;

- salsichas, linguiças, presunto, peito de peru.


Em contrapartida

- frutas, legumes e verduras são bem-vindos, principalmente os ricos em potássio, como água de coco, banana, abacate, manga, castanhas, batata doce e tomate

Fonte: Aline Peralta - Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário