segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Mulheres: uma visão da qualidade da alimentação e estado nutricional

 


As mulheres atualmente encontram-se envolvidas nas atividades diárias do lar e muitas vezes associam ao trabalho fora de casa, fato que interfere de forma direta na qualidade da alimentação e estado nutricional. Estudo recente foi desenvolvido com o objetivo de analisar o consumo de lipídeos totais e de ácidos graxos saturados (AGS), monoinsaturados (AGMI) e poli-insaturados (AGPI) entre 238 mulheres atendidas em duas Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Belo Horizonte-MG. De acordo com os resultados, observou-se consumo excessivo de lipídeos totais (40,0%), AGPI (46,7%) e AGS (32,6%), e da ingestão insuficiente de AGMI (62,2%). O consumo de AGMI foi menor entre mulheres que referiram ter dislipidemias. Dentre os principais alimentos contribuintes para o consumo excessivo de lipídeos totais e AGS identificados, destacam-se o salgadinho industrializado e o biscoito recheado, entre usuárias da UBS 1, e gordura visível da carne e salgadinho industrializado, entre as mulheres da UBS 2. Essa elevada inadequação no consumo alimentar de lipídeos e o perfil dos ácidos graxos denotam a importância de intervenções nutricionais na Atenção Primária à Saúde que contemplem tal temática. Outro estudo foi desenvolvido com o objetivo de observar a evolução de parâmetros antropométricos após um modelo de intervenção nutricional de curto prazo, por meio de atividade de grupo com mulheres adultas e idosas. O estudo envolveu mulheres com sobrepeso ou obesidade, que participaram da intervenção nutricional em grupo durante 12 semanas, realizada por um ambulatório-escola. As atividades aconteceram em grupos de aproximadamente 20 pessoas, sendo: entrega de planos alimentares individuais, definição de metas e acompanhamento do peso corporal, e participação semanal de palestras e atividades. De acordo com os resultados, foram observadas diferenças significativas na redução de IMC, circunferência abdominal, percentual de gordura, massa gorda e massa magra para adultas e de IMC e massa gorda para idosas. Foi possível observar que o modelo de intervenção nutricional de curto prazo em grupo colaborou para a redução de variáveis antropométricas em mulheres adultas e idosas, podendo reduzir o risco do aparecimento ou do agravamento de doenças crônicas não transmissíveis. Deste modo intervenções nutricionais nestes grupos são de fundamental importância para melhorar a qualidade da alimentação, fato que pode influenciar de forma direta o consumo alimentar da família, auxiliando na escolha adequada dos alimentos a escolhidos para consumo.

Fontes: Carmo, Ariene Silva do; Lopes, Aline Cristine Souza; Santos, Luana Caroline dos. Perfil lipídico da dieta consumida por mulheres de duas Unidades Básicas de Saúde. Nutrire Rev. Soc. Bras. Aliment. Nutr; 38(1)abr. 2013. Cunha, Diogo Thimoteo da; Albano, Renata Doratioto. Evolução de parâmetros antropométricos de mulheres em atendimento ambulatorial em grupo. Nutrire Rev. Soc. Bras. Aliment. Nutr; 38(1)abr. 2013. Saúde Pública - 30/jan/2014
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário