quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Qualidade da alimentação



A qualidade da dieta influência de forma direta a saúde, uma vez que o consumo adequado de nutrientes promove benefícios e a prevenção de doenças crônicas, assim como o consumo excessivo ou mesmo inferior às necessidades podem estar relacionado ao prejuízo da saúde. Estudo recente foi desenvolvido com o objetivo de avaliar a densidade energética da dieta de adultos do município de São Paulo e fatores associados. Com participantes do estudo ISA-Capital, com amostragem probabilística (n = 710 adultos). De acordo com os resultados, houveram valores elevados da densidade energética da dieta e a relação demonstrada com outros constituintes nutricionais denotam má qualidade da dieta nessa população, o que pode estar contribuindo para crescentes taxas de excesso de peso. Outro estudo foi desenvolvido com o objetivo de analisar publicações oficiais sobre o limite máximo de consumo de gordura trans e sua regulamentação de notificação obrigatória na rotulagem nutricional de alimentos industrializados brasileiros. Foram constatadas fragilidades no conteúdo dos documentos analisados, sobretudo a necessidade de reformulação, tanto na recomendação máxima de consumo quanto na notificação da gordura trans na rotulagem nutricional dos alimentos industrializados. Os dados dos estudos demonstram de forma geral a má qualidade da alimentação da população brasileira, sendo necessárias intervenções nutricionais e ações dos órgãos públicos além dos profissionais da área da saúde, com o objetivo de melhorar a qualidade e promover a saúde, diminuindo o risco para o desenvolvimento de doenças crônicas e contribuindo para a longevidade.

Fontes: Marchioni, Dirce Maria Lobo; Mendes, Aline; Gorgulho, Bartira; et al. Densidade energética da dieta e fatores associados: como está a população de São Paulo?. Arq Bras Endocrinol Metabol; 56(9): 638-645, dez. 2012. Silveira, Bruna Maria; Proença, Rossana Pacheco da Costa. Recomendações de ingestão e rotulagem de gordura trans em alimentos industrializados brasileiros: análise de documentos oficiais. Rev Saude Publica; 46(5): 923-928, out. 2012. Saúde Pública - 23/jan/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário