terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Oleaginosas




As frutas oleaginosas, assim como amêndoas e castanhas, apresentam alto teor calórico, devido a grande quantidade de gordura em sua composição. Porém as oleaginosas apresentam gorduras mono e poliinsaturadas, conhecida como gorduras “boas”, que são essenciais para o bom funcionamento do organismo. Além disso, está presente nestes alimentos proteínas de alto valor biológico, vitamina E e micronutrientes, como o selênio, o cobre e o magnésio. De acordo com estudo recente, os óleos de certos frutos estão sendo estudados por seu potencial na indústria de alimentos e também para aumento do consumo de ácidos graxos monos e poli-insaturados. Deste modo, o estudo objetivou determinar as constantes físico-químicas, composição centesimal, identificar e quantificar os principais ácidos graxos presentes na fração lipídica da polpa e da amêndoa dos frutos de guarirova, espécie Syagrus oleracea (Mart.) Becc. De acordo com os resultados, o óleo da amêndoa possui maior concentração de ácidos graxos saturados (89,2%), sendo representado principalmente pelo ácido láurico (48,34%). A polpa apresentou ácidos graxos monoinsaturados (24,84%) e poli-insaturados (33,25%), com maior percentual de ômega-6 (31,94%) e ômega-9 (19,15%); e menor de ômega-3 (1,31%). Outra pesquisa foi realizada em forma de revisão sistemática com o objetivo de comparar a composição química em nutrientes e outros compostos bioativos entre diferentes nozes e sementes comestíveis, relacionando-a com a nutrição e saúde. De acordo com os resultados, nozes verdadeiras (amêndoas, avelãs, castanhas, castanhas-de-caju, castanhas-do-pará, macadâmias, nozes e pistaches) e sementes comestíveis (amendoim e amêndoa de baru) são boas fontes de lipídeos e proteínas. As frações lipídicas são compostas especialmente pelos ácidos graxos oléico (C18:1) e linoléico (C18:2), havendo perfil favorável à redução do risco de doenças cardiovasculares. Ainda de acordo com a pesquisa, esses alimentos contêm alta densidade de nutrientes e de substâncias bioativas que potencializam seus efeitos benéficos à saúde e, portanto, o estudo e o consumo deles devem ser estimulados. Os dados dos estudos evidenciam qualidades nutricionais de oleaginosas, sendo que seu consumo, assim como de seus componentes devem ser estimulados, com o objetivo de melhorar a qualidade da alimentação e auxiliar na prevenção de doenças crônicas. 

Fontes: Nozaki, Vanessa Taís; Munhoz, Cláudia Leite; Guimarães, Rita de Cássia Avellaneda; et al. Perfil lipídico da polpa e amêndoa da guarirova. Ciênc. rural; 42(8): 1518-1523, ago. 2012. Freitas, Jullyana Borges; Naves, Maria Margareth Veloso. Composição química de nozes e sementes comestíveis e sua relação com a nutrição e saúde: [revisão]. Rev. nutr; 23(2): 269-279, mar.-abr. 2010. Saúde Pública - 9/jan/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário