quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Estado nutricional e alimentação: crianças


O estado nutricional de pré-escolares e escolares é um fato que gera grande preocupação, uma vez que nesta fase o crescimento e desenvolvimento são intensos e a altura e peso devem estar adequados para a idade, refletindo o consumo alimentar adequado. Estudo recente foi desenvolvido com o objetivo de avaliar o perfil nutricional de pré-escolares antes e após intervenção com educação nutricional. O estudo foi realizado com 101 pré-escolares de seis creches municipais em Viçosa, MG, através de avaliações antropométricas (peso e estatura) e dietéticas (pesagem direta de alimentos e registro alimentar), antes e após seis meses de intervenção nutricional. De acordo com os resultados, observou-se que a estatura (escore z) foi significantemente superior após a intervenção, já o peso (escore z) não apresentou diferença significativa. A ingestão de proteínas, carboidratos, lipídios, vitamina A, vitamina C, cálcio e zinco não apresentou diferença significativa, enquanto a de ferro reduziu. A média da disponibilidade de açúcar e a prevalência de inadequação de óleo reduziram. Verificou-se que a dieta é de baixa biodisponibilidade e que 100% das crianças apresentaram consumo inadequado de ferro. Houve melhora significativa no consumo de frutas. As dietas de todas as crianças foram classificadas como "necessita de modificações" tanto antes quanto após a intervenção nutricional. Diante disso, verificou-se a importância da continuidade das atividades de educação nutricional, com o intuito de promover a formação de hábitos alimentares saudáveis nos pré-escolares. Outro estudo foi realizado com o objetivo de identificar fatores associados à baixa estatura e ao excesso de peso em crianças usuárias de Unidades Básicas de Saúde de Aracaju, Sergipe. Estudo transversal observacional, realizado com 181 crianças de 12 a 35 meses de idade. De acordo com os resultados, os fatores associados à baixa estatura foram morbidades nos últimos 15 dias (coriza e sibilância), número de filhos superior a dois e aglomeração no domicílio. As ingestões energética, proteica, de cálcio e de ferro foram superiores no grupo com excesso de peso em relação ao eutrófico. Crianças com baixa estatura apresentaram menor ingestão de carboidrato e ingestão insuficiente de ferro. Foram observadas prevalências moderadas de baixa estatura e de excesso de peso. Faz-se necessária a inserção de atividades de educação nutricional nesta população, a fim de prevenir e controlar os distúrbios nutricionais. Os dados dos estudos evidenciam o estado nutricional e características do consumo alimentar de dois grupos de crianças, sendo que ambos destacam deficiências alimentares, assim como no consumo de ferro, que devem ser abordadas em intervenções alimentares a fim de melhorar a qualidade do consumo alimentar desta população, garantindo peso e estatura adequados à idade.

Fontes: Andrade, Maria Emília Rabelo; Costa, Neuza Maria Brunoro; Castro, Luiza Carla Vidigal. Perfil nutricional de pré-escolares antes e após intervenção com educação nutricional em creches municipais de Viçosa - MG . Nutrire Rev. Soc. Bras. Aliment. Nutr; 37(2)ago. 2012. Araujo, Jackeline Silveira; Barbosa, Juliana Santos; Santos Filha, Elenice de Oliveira; et al. Fatores associados ao déficit estatural e ao sobrepeso em crianças usuárias de unidades básicas de saúde em Aracaju-SE. Nutrire Rev. Soc. Bras. Aliment. Nutr; 37(2)ago. 2012. Nutrição e Pediatria - 21/jan/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário