terça-feira, 8 de outubro de 2013

Consumo de coco



O coqueiro, de origem asiática foi trazido há muitos anos para o Brasil e seu fruto e água são muito utilizados para consumo e na culinária de modo geral. A água de coco tem sido comercializada in natura nos últimos anos por ambulantes em carros adaptados, o que aumenta o risco de contaminação. Deste modo, pesquisa recente foi desenvolvida com o objetivo de estudar a qualidade microbiológica e o perfil de resistência aos antibióticos das bactérias isoladas de águas de coco comercializadas por ambulantes no município de Itabuna, Bahia. De acordo com os resultados, concluiu-se que os manipuladores ambulantes avaliados não possuem capacitação quanto as Boas Práticas de Fabricação, o que contribuiu para a contaminação das amostras. As bactérias isoladas mostraram um perfil de resistência a vários antibióticos. Outro estudo utilizando ingredientes de coco, foi realizado com o objetivo de desenvolver formulações de biscoitos do tipo cookie, sabor coco, com e sem adição de concentrado proteico de pescado, comparando-as em relação à aceitabilidade sensorial, atitude de compra e idealidade da crocância. Em três proporções utilizadas, a que apresentava maior porcentagem de concentrado foi a única que não foi bem aceita para consumo. Os dados dos estudos evidenciam diferentes utilizações do coco, sendo necessário cuidado em sua manipulação, sendo deste modo possível oferecer produtos a base de coco que sejam nutritivos e contribuam de forma positiva com a alimentação e saúde.


Fontes: Carvalho, Lucas Ribeiro de; Pinheiro, Bárbara Ellen Caribé; Pereira, Susane Rodrigues; et al. Bactérias resistentes a antimicrobianos em amostras de água de coco comercializada em Itabuna, Bahia. Rev. baiana saúde pública; 36(3)jul.-set. 2012. Rebouças, Marina Cabral; Rodrigues, Maria do Carmo Passos; Penha, Maria Flávia Azevedo de; et al. Desenvolvimento e aceitação sensorial de cookies de coco adicionados de concentrado proteico de pescado. Bol. Centro Pesqui. Process. Aliment; 30(1): 11-18, jan.-jun. 2012. Saúde Pública - 3/out/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário