segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Consumo de chá

 


O chá verde é preparado com Camellia Sinensis, a partir de folhas frescas que são rapidamente tratadas no vapor, inibindo a sua fermentação. Apresenta na sua composição fitoquímicos, substâncias importantes presentes em alimentos, que agem como antioxidantes, entre outras funções. Os flavonóides do chá são: catequinas, epicatequina (EC), epicatequina galato (ECG), epigalocatequina (EGC) e epigalocatequina galato (EGCG), juntas apresentam 30 a 50% dos sólidos do chá. Destaca-se ainda que vários fatores influenciam na presença desses flavonóides no chá, como o processamento, que varia de acordo com a enzima polifenol oxidase e também a origem da planta. Pesquisa recente foi desenvolvida com o objetivo de investigar a associação entre consumo de chá verde e incontinência urinária em mulheres entre 40 e 75 anos. Foi avaliado o consumo de chá verde, chá preto e café. De acordo com os resultados, sugere-se uma associação inversa entre incontinência urinária e consumo habitual de chá verde no grupo estudado, destacando-se ainda que não houve evidência entre a incontinência para o consumo de chá preto e café. Outro estudo foi desenvolvido com o objetivo de avaliar o papel do chá verde e preto no potencial inibitório de enzimas relacionadas ao controle da hiperglicemia e obesidade. Os resultados do estudo sugerem que o chá preto pode auxiliar em dietas de restrição de carboidratos. Os dados dos estudos evidenciam outras características relacionadas ao consumo de chás. Mais pesquisas devem ser realizadas com o objetivo de estabelecer melhor estes parâmetros e promover informações aos consumidores em relação aos tipos de chás e a maneira como devem ser consumidos. 


Fontes: Hirayama F; Lee AH. Green tea drinking is inversely associated with urinary incontinence in middle-aged and older women. Neurourol Urodyn; 30(7): 1262-5, 2011 Sep. Pereira, L. L. S; Souza, S. P; Silva, M. C; et al. Atividade das glicosidases na presença de chá verde e de chá preto. Rev. bras. plantas med; 12(4): 516-518, out.-dez. 2010. Alimentos Funcionais - 28/ago/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário