terça-feira, 26 de março de 2013

Suplementação em pacientes com Câncer


 
A suplementação se faz necessária quando o aporte nutricional não está suficiente para suprir as necessidades dos indivíduos, ou mesmo quando a demanda energética e de demais nutrientes está aumentada. A suplementação pode ser por via oral ou mesmo por sonda, dependedo da forma possível e mais eficaz de nutrir o paciente.
Pesquisa recente foi desenvolvida para avaliar a suplementação em pacientes com câncer e desnutrição, sendo que desnutridos leves eram randomizados para suplementação oral e industrializada ou artesanal, reavaliados após três, oito e doze semanas. De acordo com os resultados, a suplementação oral industrializada reduziu o deficit nutricional, principalmente em desnutridos leves. Os resultados sugerem que a suplemento industrializado por sonda favoreceu a recuperação nutricional, principalmente com o uso mais prolongado.
Outro estudo foi desenvolvido com o objetivo de descrever a elaboração de oito formulações de suplementos artesanais orais desenvolvidos para aumentar o consumo de energia, proteínas e micronutrientes de pacientes com câncer, analisar seu valor nutricional e avaliar a apreciação do sabor, testando dois tipos de lipídeos. De acordo com os resultados, o valor nutricional o valor calórico por mililitro foi de 1,35 a 2,17 calorias, 39% a 59% de carboidrato, 11% a 13% de proteína e 30% a 49% de lipídeo, fornecendo em média 43% e 77% da recomendação de energia e proteína, respectivamente. Vitaminas C e K, ácido fólico e manganês apresentaram 15% de adequação em relação às recomendações. Em relação ao sabor, foi considerado bom pela maioria dos pacientes, com melhor aceitação quando utilizada margarina. Os resultados sugerem que o uso de suplementos orais artesanais pode ser uma alternativa viável em situações onde não há recursos suficientes para aquisição dos industrializados.
Os dados dos estudos evidenciam qualidades e benefícios de suplementos industrializados e artesanais. O suplemento a ser oferecido deve se adequar as necessidades e possibilidades dos pacientes, mas deve ser sempre utilizado quando necessário para auxiliar na recuperação e manutenção do estado nutricional.


Fontes: Adriana Garófolo; Priscila Santos Maia; Antonio Sérgio PetrilliI; Fábio Ancona-Lopez. Resultados da implantação de um algoritmo para terapia nutricional enteral em crianças e adolescentes com câncer. Rev. Nutr. vol.23 n.5 Campinas Sept./Oct. 2010.
Adriana Garófolo; Fernanda Rodrigues Alves; Maria Aurélia do Carmo Rezende. Suplementos orais artesanais desenvolvidos para pacientes com câncer: análise descritiva. Rev. Nutr. vol.23 no.4 Campinas July/Aug. 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário