segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Açúcar na dieta



O consumo de doces e alimentos açúcardos em geral vem aumentando nos últimos anos devido ao fácil acesso a estes tipos de alimentos, inclusive por crianças e adolescentes.

De acordo com pesquisa recente, enquanto a ingestão de açúcar é um fator importante para o desenvolvimento de obesidade, diabetes e cárie dentária, também são consideradas fontes de energia principalmente para crianças. Ainda de acordo com o estudo, o consumo de açúcares por crianças japonesas não é um ponto muito estudado, tendo sido então avaliado nesta pesquisa. De acordo com os resultados, a média de ingestão de açúcares por esta população estava dentro da faixa de recomendação da FAO/WHO, destacando-se, porém que os efeitos dos tipos de açúcares consumidos e seus efeitos na saúde devem ser mais bem esclarecidos.

Outro estudo foi desenvolvido com o objetivo de comparar o consumo alimentar de dois grupos de mulheres portadoras de câncer de mama atendidas em dois períodos distintos: 1999-2004 e 2005-2009. De acordo com o estudo, os achados apontam para uma lacuna na abordagem educativa das pacientes tanto no passado como na atualidade, o que comprova a necessidade de incentivar maior consumo e variedade de hortaliças e frutas e menor consumo de cereais refinados, gorduras, açúcar e refrigerantes.

Os dados dos estudos evidenciam diferentes abordagens em relação ao consumo na dieta, porém, em ambos os casos, deve haver controle no consumo e orientação em relação à uma dieta equilibrada, diminuindo o consumo de açúcar refinado e de alimentos que o contenham, e aumento do consumo de alimentos mais nutritivos.

Fontes:

Takeichi H; Taniguchi H; Fukinbara M; et al. Sugar intakes from snacks and beverages in Japanese children. J Nutr Sci Vitaminol (Tokyo); 58(2): 113-7, 2012.

Helena Alves de Carvalho Sampaio; Daianne Cristina Rocha; Maria Olganê Dantas Sabry; et al. Consumo alimentar de mulheres sobreviventes de câncer de mama: análise em dois períodos de tempo. Rev. Nutr. vol.25 no.5 Campinas Sept./Oct. 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário