sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Açúcar X saúde


 
Atualmente o “açúcar de adição”, ou seja, aquele adicionado artificialmente ao alimento é um dos grandes responsáveis pelo excesso de calorias consumidas por grande parte da população, sendo um risco para o desenvolvimento da obesidade e seus agravantes. Pesquisa recente foi desenvolvida com o objetivo de estimar o consumo de “açúcar de adição” pela população brasileira, destacando suas principais fontes alimentares e verificar a tendência de seu consumo nas últimas décadas. De acordo com os resultados, a participação do açúcar de mesa nos últimos 15 anos foi reduzida, enquanto a contribuição do açúcar adicionado aos alimentos dobrou, especialmente por meio do consumo de refrigerantes e biscoitos. Deste modo, o consumo de açúcar no Brasil excede largamente a recomendação da OMS verificando ainda importante alteração nas fontes de consumo. Em outro estudo foi desenvolvida uma formulação para bolos com baixo conteúdo calórico, isento de açúcar e com alto teor de fibras, para obter alimento light, diet e com propriedades funcionais, isento de sacarose em sua preparação. De acordo com os resultados, a formulação de bolo obtida constituiu um alimento saudável e saboroso que pode ser incluído na alimentação dos consumidores com necessidades especiais e daqueles preocupados com a saúde.   Os dados dos estudos evidenciam a preocupação em relação ao elevado consumo de açúcar, mostrando também que este pode ser substituído por outros produtos, para reduzir o valor calórico dentre outros benefícios.   Fontes: Renata Bertazzi Levy; Rafael Moreira Claro; Daniel Henrique Bandoni; et al. Disponibilidade de "açúcares de adição" no Brasil: distribuição, fontes alimentares e tendência temporal. Rev. bras. epidemiol. vol.15 no.1 São Paulo Mar. 2012. Maria Carliana MOTA; Silvia Silveira CLARETO; Eveline Monteiro Cordeiro DE AZEREDO; et al. Bolo light, diet e com alto teor de fibras: elaboração do produto utilizando polidextrose e inulina. Rev Inst Adolfo Lutz. 2011; 70(3):268-75. Saúde Pública - 31/ago/2012  

Nenhum comentário:

Postar um comentário