quinta-feira, 31 de maio de 2012

"Cooperativas agrícolas" é o tema definido pela FAO para o Dia Mundial da Alimentação 2012

O tema escolhido pela FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) para o Dia Mundial da Alimentação deste ano é "Cooperativas agrícolas". A FAO pretende estimular uma reflexão a respeito do quadro atual da ação das cooperativas agrícolas na garantia da segurança alimentar e na redução da pobreza.
Segundo a FAO, as cooperativas operam em todos os setores da economia mundial, contam com mais de 800 milhões de associados e garantem 100 milhões de empregos no mundo - 20% a mais do que as empresas multinacionais. Em 2008, as 300 maiores cooperativas do mundo movimentaram cerca de U$ 1,1 trilhão, cifra comparável ao PIB (Produto Interno Bruto) de muitas economias de grande porte.
O Dia Mundial da Alimentação, comemorado desde 1981 no dia 16 de outubro, foi instituído pela FAO com a finalidade de reconhecer a importância das temáticas “Alimentação e Nutrição” para as populações.
No Rio Grande do Sul, essa celebração é denominada Semana da Alimentação e é organizada por diversas instituições, entre estas o Conselho Regional de Nutricionistas 2ª Região (CRN-2). A iniciativa é constituída de um amplo programa que abriga, além da temática estabelecida pela FAO, outras importantes manifestações, debates e encaminhamentos a respeito da Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Consumo de sorvetes


Os sorvetes, considerados gelados comestíveis, são produtos alimentícios obtidos a partir de uma emulsão de gorduras e proteínas, com ou sem adição de outros ingredientes e substâncias, ou de uma mistura de água, açúcares e outros ingredientes e substâncias que tenham sido submetidas ao congelamento, em condições tais que garantam a conservação do produto no estado congelado até seu consumo.
Estudo recente foi desenvolvido utilizando sorvete enriquecido com cálcio, observando seu efeito sobre a saúde óssea de mulheres na pré-menopausa com baixa ingestão de cálcio. De acordo com os resultados, o consumo diário de sorvete fortificado com cálcio por mulheres antes da menopausa fornece benefícios em relação à saúde óssea, devendo ser considerado um alimento fonte de cálcio para atingir as necessidades diárias do consumo deste nutriente.
O sorvete apresenta suas qualidades nutricionais, mas também necessita de cuidados em sua produção até o consumo para ser considerado um produto de boa qualidade. Pesquisa recente foi desenvolvida com o objetivo de avaliar 4 temperaturas de armazenamento em sorvetes de baunilha ricos em gordura.  De acordo com os resultados, a temperatura considerada ideal para os congeladores foi de -26,1 e não de -28,9 como foi identificado, garantindo a qualidade final do produto, apesar das oscilações que ocorrem nos freezers.
Os dados dos estudos fornecem informações de extrema importãncia para o consumo de sorvete de boa qualidade, tanto em suas características sensoriais, quanto em relação ao seu valor nutricional.

Fontes:
Ferrar L; van der Hee RM; Berry M; Watson C; et al. Effects of calcium-fortified ice cream on markers of bone health. Osteoporos Int; 22(10): 2721-31, 2011 Oct.
Buyck JR; Baer RJ; Choi J. Effect of storage temperature on quality of light and full-fat ice cream. J Dairy Sci; 94(5): 2213-9, 2011 May.

terça-feira, 29 de maio de 2012

Dia Mundial da Saúde Digestiva


Segundo a Organização Mundial de Gastroenterologia em média 20% da população mundial sofre de problemas intestinais. Desse número de pessoas, cerca de 90% não procuram um especialista para ajudar a solucionar o problema e acabam recorrendo a automedicação. Também existem aquelas pessoas que nada fazem para solução do problema.
Os incômodos de pessoas que sofrem desse problema são inúmeros, como desconforto intestinal, dores e inchaços abdominais, prisão de ventre, diarréia, entre outros.
Com o intuito de mudar a situação de pessoas que convivem com esse problema diariamente foi criada a campanha para o Dia Mundial da Saúde Digestiva.
Quem vive com essa doença sabe que não tem cura, mas sim que existem métodos para que esses sintomas sejam controlados. 
A campanha tem como foco incentivar as pessoas que sofrem com a doença a procurar ajuda médica. Somente profissionais que possuem todo um conhecimento específico saberão diagnosticar quais poderiam ser as principais causas. Vários são os fatores que podem influenciar: maus hábitos alimentares, origem psicológica, fatores hormonais e muitos outros.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Suplemento de cálcio aumenta risco de ataque cardíaco, diz estudo


Ele só é recomendado para fortalecer os ossos e prevenir fraturas na velhice
 
O consumo de suplementos de cálcio pode aumentar o risco de ataque cardíaco, de acordo com pesquisadores alemães.
O cálcio em pílulas é recomendado para fortalecer os ossos e prevenir fraturas na velhice. No entanto, segundo o estudo publicado na revista científica Heart, o suplemento 'deve ser consumido com cautela'.
Alguns especialistas recomendam uma dieta balanceada, com doses adequadas de cálcio, como alternativa ao suplemento.
Os pesquisadores do Centro Alemão de Pesquisa sobre o Câncer, em Heidelberg, acompanharam 23.980 pessoas por mais de uma década.
Eles compararam o número de ataques cardíacos em pessoas que tomaram suplementos de cálcio com outras que não tomaram nada e concluíram que no primeiro grupo o risco de um ataque era 86% maior.

Críticas
O médico Carrie Ruxton, do Serviço de Informações sobre Suplementos de Saúde, no Reino Unido, acredita que seria 'irresponsável' recomendar que as mulheres parassem de consumir cálcio.
'A osteoporose é um problema grave entre mulheres e seria irresponsável recomendar o fim do consumo de suplemento de cálcio com base em uma única pesquisa inconsistente, quando a ligação entre cálcio, vitamina D e saúde dos ossos está confirmada pela Agência Europeia de Segurança Alimentar', disse Ruxton.
Segundo a Fundação Britânica do Coração (BHF, na sigla em inglês) pacientes que receberam recomendações para tomar cálcio devem continuar o tratamento e conversar com seus médicos se estiverem preocupados.
'A pesquisa indica que as pessoas que tomam suplementos de cálcio podem estar mais sujeitas a um ataque cardíaco, mas isso não significa necessariamente que esses suplementos causam ataques cardíacos', afirma Natasha Stewart, enfermeira especializada em cardiologia da BHF.
'Mais estudos são necessários para elucidar a relação entre a ingestão de suplementos de cálcio e problemas do coração. Precisamos determinar se os riscos potenciais da administração de suplementos superam os benefícios para mulheres que sofrem de condições como osteoporose.'

Dieta balanceada
De acordo com Ian Reid e Mark Bolland, pesquisadores da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, há cada vez mais evidências de que a administração de suplementos não é segura, nem particularmente eficaz. 'As pessoas deveriam ser aconselhadas a obter a dose diária de cálcio com uma dieta equilibrada', acreditam Reid e Bolland.
Uma porta-voz do Departamento de Saúde do Reino Unido disse que o estudo será analisado com cuidado depois que o artigo completo for publicado: 'A maioria das pessoas não precisa tomar suplemento de cálcio. Uma dieta saudável e balanceada fornece todos os nutrientes, incluindo cálcio, que elas necessitam. Boas fontes de cálcio incluem leite e derivados e vegetais de folhas verdes.'


Fonte: Agência de Notícias

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Segurança no Uso do Forno de Microondas


 
Atualmente, os consumidores prezam pela praticidade no preparo dos alimentos, devido ao aumento do trabalho fora de casa, fazendo com que o tempo para o pré-preparo e preparo das refeições seja reduzido. Deste modo, o forno de microondas é um dos utensílios mais utilizados por esta população, devido a rapidez no preparo de refeições.
Porém, o uso do microondas tem sido questionado em relação a sua segurança na qualidade do produto e saúde do consumidor. Este fato pode ser observado por estudo recente o qual aborda o fato de que ocorre migração de produtos químicos e metais na utilização deste aparelho, sendo portanto, necessárias mais pesquisas para desenvolver materiais mais seguros para serem utilizados no microondas.
Outro estudo aborda a utilização de materiais existentes em microondas, assim como componentes plásticos para aquecer alimentos. De acordo com o estudo, devido as altas temperaturas alcançadas por este aparelho, pode ocorrer migração de substâncias dos materiais para os alimentos.
Os dados dos estudos enfatizam a preocupação da utilização desta forma de cozinhar e aquecer alimentos para a saúde do consumidor. Porém, deve-se levar em conta que produtos com materiais adequados têm sido desenvolvidos para esta finalidade. Deve haver cuidado, para que sejam utilizados utensílios adequados, sendo ainda necessários mais estudos para confirmar a segurança na utilização do microondas.


Fontes:
Aidinov GV; Istomin AV; Simileiskaia BS; et al. Effect of microwave on migration in the model environment of chemicals from materials that come into contact with foodstuffs]. Vopr Pitan; 80(2): 62-5, 2011.
Bradley EL; Castle L; Day JS;  et al. Comparison of the migration of melamine from melamine-formaldehyde plastics ('melaware') into various food simulants and foods themselves. Food Addit Contam Part A Chem Anal Control Expo Risk Assess; 27(12): 1755-64, 2010 Dec.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

CCJ aprova proibição de uso de tubos plásticos flexíveis para servir ketchup

imagem transparente

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou, nesta terça-feira, o Projeto de Lei 3484/00, do deputado Lincoln Portela (PR-MG), que proíbe o uso de tubos flexíveis plásticos ou quaisquer recipientes de uso coletivo para servir ketchup, mostarda, maionese e molhos condimentados nos restaurantes, lanchonetes, pizzarias, bares, ou quaisquer outras instalações que sirvam alimentos.

O projeto determina também que esses produtos serão servidos, obrigatoriamente, em embalagens individuais e descartáveis e deverão estampar com nitidez os ingredientes utilizados, a data de fabricação e o prazo de validade.

A relatora, deputada Sandra Rosado (PSB-RN), votou pela constitucionalidade e juridicidade da proposta. “O projeto não apresenta qualquer vício, quando atribui o exercício da fiscalização às autoridades estaduais e municipais”, disse. Pelo texto, o descumprimento das regras impostas implicará em advertência e multa.

Tramitação
Agora a proposta deverá ser votada pelo Plenário da Câmara.


Fonte: Agência Câmara de Notícias

terça-feira, 22 de maio de 2012

Espinafre - um alimento de alto valor nutricional

 


O espinafre, alimento consumido por grande parte da população é considerado rico em diversos nutrientes. Sua utilização na culinária é ampla, variando o valor nutricional das preparações que possuem este alimento como ingrediente.
Pesquisa recente foi desenvolvida para avaliar o teor de luteína em algumas hortaliças comumente consumidas no estado de Minas Gerais (Brasil), visando fornecer dados para que a população possa conhecer as melhores fontes desse carotenóide. De acordo com os resultados, couve, rúcula, agrião, mostarda, acelga, espinafre, azedinho e brócolis constituem fontes ricas deste nutriente.
Outra pesquisa avaliou a quantidade de vitamina C no espinafre fresco e processado. De acordo com os resultados, o preparo deste alimento no microondas e cozido no vapor geraram maios retenção da vitamina C, enquanto que fervendo em água a perda foi maior.
Os dados dos estudos evidenciam o consumo e importantes nutrientes existentes no espinafre, destacando como preservar melhor este alimento de alto valor nutricional. Mais estudos devem ser realizados com o objetivo de informar melhor aos consumidores como preparar alimentos e preservar suas propriedades nutricionais.

Fontes:
Nachtigall, Aline Manke; Stringheta, Paulo Cesar; Fidelis, Priscila Cardoso; et al. Determinação do teor de luteína em hortaliças. Bol. Centro Pesqui. Process. Aliment; 25(2): 181-192, jul.-ago. 2007.
PIGHIN G, Andrés Fabián  y  ROSSI DE R, Ana Lía. FRESH, FROZEN AND CANNED SPINACH: VITAMIN C CONTENT BEFORE AND AFTER COOKING. Rev. chil. nutr. 2010, vol.37, n.2, pp. 201-207.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Remédio para colesterol previne câncer em transplantados de coração



Incidência de câncer foi menor em pacientes que tomaram estatinas.
Câncer é a maior causa de morte em pacientes com coração transplantado.
 
O uso de remédios indicados para diminuir o colesterol, conhecidos como "estatinas", previne o câncer e aumenta a sobrevida de pessoas que se submeteram ao transplante de coração, segundo pesquisa da Sociedade Europeia de Cardiologia.
As estatinas são medicamentos que atuam no sistema imunológico e geralmente são usados para diminuir o colesterol considerado ruim. Mas ao serem dados para os pacientes transplantados, os pesquisadores perceberam que os casos de câncer diminuíram e o tempo de vida aumentou entre eles.
Segundo o estudo, o câncer é a maior causa de morte em pacientes com coração transplantado. Nestes casos, o surgimento do câncer de pele, de intestino, próstata e linfomas também são comuns.
O estudo incluiu todos os 255 pacientes que passaram por transplante de coração no Hospital Universitário Zurich, na Suíça, entre 1985 e 2007 e que estavam vivos depois de um ano de cirurgia.
Por meio dessas análises, os pesquisadores detectaram que as estatinas reduziram em 65% o risco desses pacientes de ter qualquer câncer. Oito anos depois do transplante a incidência de tumores foi de 34% em pacientes que não usaram a medicação, enquanto que entre os que a usou o índice foi de 13%. O benefício ainda se mostrou duradouro em 10 anos: 39% ante 18%, entre os que usaram, e em 12 anos (42% ante 22%).
A partir dessas evidências, o estudo concluiu que o aumento da taxa de câncer em quem recebeu um coração transplantado pode estar relacionado à queda da imunidade.


Fonte: G1 Notícias

domingo, 20 de maio de 2012

Consumo de café

 
O café é consumido em grande quantidade por todo o mundo. Seu sabor e forma de prepraro podem variar, porém suas propriedades nutricionais se mantem de forma geral. Os estudos que relacionam o consumo de café com benefícios e prejuízos a saúde têm sido desenvolvidos nos últimos anos, com o avanço da ciência e tecnologia.
De acordo com pesquisa recente, muitos estudos têm encontrado uma associação inversa entre consumo de café filtrado e incidência de diabetes tipo 2. De acordo com os resultados, a associação inversa moderada foi encontrada entre o consumo dos dois tipos de café e o risco de prescrição de medicamentos orais antidiabéticos no período de 5 a 20 anos.
Outro estudo caracterizou os pacientes com úlceras grastroduodenais. De acordo com os resultados, a maioria dos pacientes atendidos com úlcera era do sexo masculino, maiores de 50 anos e consumidores de café, tabaco e álcool.
Os dados dos estudos relacionam o consumo do café com algumas patologias. Porém seu consumo de forma moderada, de acordo com estudos recentes, não fornecem prejuízos á saúde, podendo inclusive seu consumo contribuir de forma positiva em alguns casos.

Fontes:
Hjellvik V; Tverdal A; Strøm H. Boiled coffee intake and subsequent risk for type 2 diabetes. Epidemiology; 22(3): 418-21, 2011 May.
CABRERA CARDENAS, Félix Armando; HERRERA, Manuel Hidalgo  y  LORDA GALIANO, Lázaro. Comportamiento de la úlcera gastroduodenal perforada. Rev Cub Med Mil. 2011, vol.40, n.1, pp. 12-21.

sábado, 19 de maio de 2012

Programa Global de Nutrição irá revitalizar os esforços na América Latina e Caribe

O HarvestPlus é um programa internacional que investe na biofortificação de culturas básicas para garantir a maior oferta de vitaminas e minerais na dieta básica das populações mais pobres e que estão sujeitas a fome oculta que é capaz de causar danos irreversíveis à saúde. O programa faz parte do CGIAR (Grupo Consultivo sobre Pesquisa Agrícola Internacional) que está sob a coordenação do CIAT (Centro Internacional de Agriculttura Tropical) e do IFPRI (Instituto Internacional de Pesquisa de Políticas de Alimentação).

"A integração do AgroSalud ao HarvestPlus nos permite expandir e alinhar a biofortificação na ALC com os nossos programas na África subsaariana e no sul da Ásia, tornando  o HarvestPlus um programa global  para melhorar a nutrição das populações", disse  Diretor  do HarvestPlus, Howarth Bouis.

Marília Nutti, pesquisadora da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), lidera o BioFORT no Brasil e agora também vai coordenar o programa de biofortificação na  ALC. Marília  construiu no BioFORT uma rede de 150 parceiros ligados a 11 unidades de pesquisa da Embrapa mais universidades, órgãos estaduais, prefeituras, ONGs e associações de agricultores.

Dez cultivares com maiores teores de ferro, zinco e betacaroteno  foram lançadas no Brasil nos últimos 10 anos. Entre elas estão cultivares de mandioca, batata-doce, feijão, feijão caupi, arroz e milho e que estão chegando às comunidades rurais graças ao empenho de parceiros que realizam a interface  entre a pesquisa e o campo.
 
"Temos o prazer de apoiar Marília Nutti nesta nova posição", disse Pedro Antônio Arraes Pereira, presidente da Embrapa. "Estamos confiantes de que sob sua liderança, o HarvestPlus será capaz de reproduzir em toda a América Latina e Caribe  o sucesso  que alcançamos no Brasil”.
 
Marília deverá concentrar sua atenção na Guatemala, Haiti e Nicarágua, pois estes apresentam populações com alguns dos mais altos índices de deficiência em  vitaminas e minerais na região. O Panamá, cujo o governo já apoia a biofortificação, também será beneficiado pelos esforços renovados.
 
Em consonância com o HarvestPlus, o programa na ALC focará o melhoramento genético de cultivos da dieta báscia da população e a avaliação do impacto nutricional junto ao público-alvo. O Centro Internacional de Agricultura Tropical (CIAT), que coordenava o Programa AgroSalud, continuará a ser um parceiro importante para o HarvestPlus na ALC.
 
Fonte: cenarioMT.com.br

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Capital é a terceira em índice de diabetes no Brasil


Um quinto da população brasileira adulta acima dos 50 anos afirmou ter recebido diagnóstico de diabetes na pesquisa Vigitel — Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, que coletou informações nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal. A pesquisa revelou ainda que o percentual da doença subiu principalmente entre os homens, passando de 4,4% em 2006 para 5,2% no ano passado.Em Porto Alegre, o percentual da população com a doença é de 6,3%, atrás apenas de Fortaleza (7,3%) e de Vitória (7,1%). Florianópolis, por sua vez, esta empatado com São Paulo na quinta posição com um índice de 5,9% de diabéticos.
Os dados mostram também que o diabetes é mais comum em pessoas que estudam menos — 7,5% dos brasileiro que têm até oito anos de escolaridade dizem ter a doença, enquanto apenas 3,7% dos que têm mais de 12 anos de estudo declaram ser diabéticos.
No entanto, as estatísticas divulgados pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e pela coordenadora de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis, Deborah Malta, em coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira, revelam que o número de internações por diabetes caiu de 148 mil para 145 mil, comparando 2010 com 2011.
Para o ministro, o acesso a medicamentos gratuitos em farmácias populares foi fundamental para a queda no número de internações. A ampliação do acesso ao tratamento gratuito foi um dos três pontos destacados pelo ministro sobre o levantamento.
— Reforçar ações de prevenção, facilitar o diagnóstico e aumentar o acesso a remédios para o tratamento são fatores decisivos para a redução de casos de diabetes — disse o ministro.
Padilha ressaltou também a qualificação da educação no país, uma vez que a pesquisa mostra que é menor o número de diabéticos entre os que têm maior escolaridade. Outro ponto frisado pelo ministro foi o combate à obesidade, pois o diabetes está fortemente associado ao excesso de peso.
A coordenadora de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis destacou medidas como o programa Saúde na Escola, que tem como foco a prevenção da obesidade infantil, para estimular bons hábitos alimentares desde cedo, e o programa Academia da Saúde, que busca garantir acesso à atividade física a toda a população, uma vez que o sedentarismo também é fator de risco para doenças crônicas. O Ministério da Saúde anunciou a implantação de 4 mil unidades nos próximos quatro anos.
A pesquisa serve para o Ministério da Saúde como referência na identificação de fatores de risco e promoção de políticas públicas contra doenças crônicas. Em abril, o Ministério da Saúde já havia divulgado uma parte dos dados da pesquisa Vigitel, referente aos hábitos da população.
 

Fonte: zero hora.com

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Brasileiros abusam do refrigerante - Quantidade excessiva de refrigerante prejudica a saúde

1) Quais são os malefícios deste abuso e como deixar esse hábito de lado?  
A preferência pelo refrigerante atinge a população brasileira cada dia mais. Segundo dados do Ministério da Saúde, 30% das pessoas consomem a bebida ao menos cinco vezes por semana, sendo que a maioria exagera na quantidade. Qualquer tipo de refrigerante é prejudicial à saúde, seja ele light, diet ou comum. A diferença está na matéria-prima que adoça a bebida. Os light e diet possuem um alto teor de adoçante, que aumenta a pressão arterial, causa inchaço do abdômen e produção de gases. Já os comuns, concentram muito açúcar e provocam o ganho da gordura abdominal e o risco da pessoa desenvolver diabetes.

É importante avaliar a quantidade de refrigerante ingerido para verificar se já não se tornou um mau hábito ou até mesmo um vício. Muitas pessoas tomam refrigerante ao invés de água quando estão com sede, e perdem os benefícios que ela traz à saúde, como por exemplo, o funcionamento melhor do intestino e hidratação da pele. Nestes casos, é preciso ter a consciência do problema para poder criar hábitos mais saudáveis, e ir substituindo o refrigerante, aos poucos, por sucos naturais, água, chás e água de coco.
 
2)  Como deve ser a orientação nutricional para a mudança de hábito?
Essa mudança é difícil no início e, às vezes, é necessário o acompanhamento de um profissional de nutrição para auxiliar no cardápio, além do apoio da família, incluindo frutas após as refeições. Esta atitude ajusta a quantidade de açúcar no organismo e pode substituir aquela vontade por comer um doce. Outra dica é aliar esta sugestão aos exercícios físicos. Tudo em prol de uma vida mais saudável.
 

Fonte: www.nutricaoempauta.com.br  


















































  












terça-feira, 15 de maio de 2012

Estudantes voltam às aulas após surto de hepatite A em escolas do Rio de Janeiro


Todas as escolas tiverem aulas canceladas por dois dias após o surto
 
As escolas das redes estadual, municipal e particular do município de Mangaratiba, região da Costa Verde do Rio de Janeiro, retomaram suas atividades nesta segunda-feira (14), após ficarem dois dias sem aula em função de um surto epidêmico de hepatite A.

A afirmação foi dada pelo secretário municipal de Saúde, Sérgio Rabinovici.

Rabinovici explicou que as aulas foram suspensas desde a última quinta-feira (10) para tratamento de reservatórios, caixas d'águas e cisternas. De acordo com o secretário, a situação ainda é preocupante. Foram confirmados 37 casos,de um total de 144 suspeitos.

— Ainda há ocorrência de casos, mas há uma diminuição importante. Exite uma unidade móvel da Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos) que está fazendo as análises das águas, porém temos a interdição de algumas fontes alternativas que podem estar contaminadas.

Ainda de acordo com Rabinovici, além do trabalho de análise da água, a equipe da Cedae, juntamente com a Prefeitura, está auxiliando no fornecimento de pipas d'água para os bairros mais atingidos, como Nova Mangaratiba, Praia do Saco e o centro da cidade.

— A própria Prefeitura disponibilizou uma grande quantidade de água mineral para algumas residências com doentes e que não poderiam ter uma água de qualidade.

O superintendente de vigilância epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde, Alexandre Chippe, caracterizou a situação em Mangaratiba como tranquila, não sendo registrado um aumento de novos casos em virtude das intensificações das ações de controle da água.

Ele ressaltou que ações de conscientização, como distribuição de panfletos, estão sendo realizadas para alertar a população sobre a importância do tratamento .

— Todas as ações de prevenção, como cloração da água para garantir a potabilidade, vão ser suficientes para frear os casos que possam vir a acontecer por contaminação imediata.

Desde a semana passada, cerca de 10 mil frascos de hipoclorito de sódio já foram enviados ao município para tratamento da água e aproximadamente 150 mil litros de água potável foram distribuídos à população.


Fonte: R7 Notícias

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Anvisa determina apreensão de anorexígeno


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou, nesta segunda-feira (14/5), no Diário Oficial da União (DOU), uma resolução que determina a apreensão e a inutilização, em todo o país, de todos os lotes falsificados do medicamento Desobesi- M.
A versão falsificada do Desobesi-M apresentava a seguinte identificação:  lotes L1100285 Fab. set/11 - Val. Set/13, L1100090 Val. Mar/14, L1100090 Fab. Mar/11 - Val. Mar/13, L1103972 Fab. Jun/11 - Val. Jun/13 e L1100090 Val. Mar/13.
A medida  de apreensão e inutilização do medicamento foi determinada pela Anvisa depois que foram identificadas falsificações do Desobesi-M que se assemelham ao produto original,  fabricado pela Aché Laboratórios Farmacêuticos Ltda até dezembro de 2011. O produto falsificado possui inclusive a mesma numeração de lote dos originais. 
Embora a falsificação dos medicamentos seja a razão da decisão de apreensão, o registro do Desobesi-M está cancelado pela Anvisa desde o dia 11 de dezembro de 2011, por determinação da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) no 52, de 2011.
A RDC 52/2011 proíbe a fabricação, a importação, a exportação, a distribuição, a manipulação, a  prescrição, a dispensação, o aviamento, o comércio e o  uso de medicamentos ou fórmulas medicamentosas que contenham as substâncias anfepramona, femproporex e mazindol, princípios ativos classificados como anorexígenos do tipo anfetamínico.


Imprensa/Anvisa

sábado, 12 de maio de 2012

Novo código de barras ajuda o consumidor a não comprar produtos vencidos


SÃO PAULO - A partir desta semana, os consumidores brasileiros vão contar com mais um aliado no controle da validade dos alimentos. Um novo código de barras, desenvolvido pela Toledo do Brasil, informará ao consumidor a data de vencimento do produto na hora do pagamento no caixa.
De acordo com a nova tecnologia, os consumdiores terão um controle maior sobre a validade dos alimentos fracionados, geralmente os perecíveis. “Produtos fracionados são aqueles manipulados pelo próprio supermercado, em geral no setor dos perecíveis. Pelo curto tempo de validade, esses produtos são os que oferecem maior probabilidade de erros operacionais e de serem comercializados com prazos de validade vencidos. Esta é a grande importância do novo sistema: evitar erros”, explica o gerente nacional de Vendas da Toledo do Brasil, Mario Pandolfo.
Segundo a desenvolvedora do código, o novo sistema permitirá que o produto seja rastreado e o gerente do estabelecimento avisado da aproximação do período de validade, assim será possível tomar providências necessárias para não prejudicar os consumidores.
Campanha
Desde o início de outubro do ano passado, o consumidor do estado de São Paulo que encontrar algum produto com prazo de validade vencido nos supermercados terá o direito de receber gratuitamente um produto igual, dentro da validade. Caso o fornecedor não tenha outro produto igual, deverá entregar um similar e de igual valor.

A campanha de Olho na Validade é válida para os produtos que forem encontrados no ponto de venda, antes de passar pelo caixa. Caso o consumidor encontre mais de um produto com o prazo de validade vencido, terá o direito de receber a mesma quantidade de produtos.


Fonte: MSN Notícias

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Dia do Cozinheiro

Cozinhar é, sem dúvida, umas das atividades humanas mais antigas, tendo surgido assim que o homem descobriu o fogo. Antigo também é o ofício
de cozinheiro. Há relatos históricos que dão conta de que já havia profissionais dedicados à arte de cozinhar por volta de 3000 a.C. Eram eles os responsáveis, por exemplo, pelos banquetes tradicionalmente oferecidos pela corte da Mesopotâmia.

Ao longo da história dos povos, a culinária foi evoluindo e se tornando, cada vez mais, um traço cultural marcante. De região para região variam não apenas os ingredientes empregados, mas também o modo
de preparo da receita e até mesmo os utensílios de cozinha.

Neste 10 de maio, Dia do Cozinheiro, a Slim Consultoria e Assessoria em Nutrição parabeniza todos os profissionais que se dedicam à arte de cozinhar e deseja que 
eles tenham muita saúde e inspiração para continuar preparando
deliciosos pratos e, assim, tornar a vida de todo mundo mais saborosa.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Toddy Shake: overdose de açúcar


Recém-lançado, novo achocolatado da Pepsico, que vem com copo para preparar bebida, tem 80% de açúcar.
A Pepsico lançou recentemente uma nova versão do achocolatado Toddy, o Toddy Shake. O produto é vendido juntamente com um copo para preparar a bebida.
Avaliamos o rótulo para verificar se tanta novidade também faz bem para a sua saúde - e a notícia não é muito boa.
16g de açúcar por porção de 20g
Apesar de o rótulo informar que rende três copos de 480 mL, o modo de preparo se limita a 160 mL, ou seja, um terço disso. Isso porque este produto apresenta, por porção de 20g (equivalente a duas colheres de sopa), 16 g de açúcar! Ou seja, 80% da bebida é açúcar!
Toddy Original tem ainda mais açúcar
Por curiosidade, resolvemos comparar o valor nutricional deste produto com o do Toddy Original. E não é que ele tem ainda mais açúcar do que o Toddy Shake? Para a mesma porção (20 g, equivalente a duas colheres de sopa), o Toddy Original contém 18 g de açúcar!
O Toddy Shake apresenta em sua lista de ingredientes os seguintes espessantes: goma xantana, goma guar e carboximetilcelulose sódica. Ausentes no Toddy Original, eles são aditivos alimentares que têm a capacidade de aumentar a viscosidade e a consistência dos alimentos, além de garantir a cremosidade da bebida.
Quanto ao preço, o Toddy Original custa, em média, R$ 3,39, a embalagem de 400 g. Já a embalagem de 180 g + o copo do Toddy Shake sai por, aproximadamente, R$ 5,80. 


Fonte: www.proteste.org.br

terça-feira, 8 de maio de 2012

Lote de glicose é suspenso pela Anvisa


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou nesta terça-feira (8/5), a suspensão em todo o país do lote 1111313 do produto Glicose 5%, 500ml.
O produto fabricado pela empresa Equiplex Indústria Farmacêutica Ltda., apresentou resultado insatisfatório no ensaio de aspecto. Um dos frascos analisados possuía coloração marrom com a presença de partículas semelhantes a fungos filamentosos. Também foi identificado um micro-furo na embalagem.
A suspensão é definitiva e tem validade imediata após divulgação da medida no Diário Oficial. As pessoas e serviços de saúde que já tiverem adquirido o produto devem interromper o uso. A empresa produtora deverá fazer o recolhimento do medicamento.

Fonte: Imprensa / Anvisa

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Palmito Fresco ou Congelado?




O palmito é um alimento consumido de várias formas, como saladas, cozidos, como recheios, dentre outros. Seu consumo se deve ao sabor e propriedades nutricionais, havendo elevado consumo em diversas regiões do Brasil. Estudo recente foi desenvolvido com o objetivo de determinar as características do palmito do tipo guariroba, quanto as suas propriedades nutricionais e técnicas de processamento. De acordo com os resultados, quando este tipo de palmito é congelado sua fonte de fibras e de compostos fenólicos são preservadas, além de oferecer alto teor de vitamina C e de ferro. Outro estudo foi desenvolvido com o objetivo de avaliar os antioxidantes na prevenção do escurecimento e na manutenção da qualidade de palmito do tipo pupunha, minimamente processado armazenado a 5º C. As técninas empregadas resultaram em produto de boa qualidade. Os dados dos estudos evidenciam que o palmito pode apresentar maior vida de prateleira com técninas de congelamento, mantendo sua qualidade nutricional e facilitando seu comércio e consumo. 


Fontes: HIANE, Priscila Aiko et al. Chemical characterization of fresh and frozen guariroba palm. Cienc. Rural. 2011, vol.41, n.6, pp. 1082-1087. Epub June 03, 2011. BOTELHO, Marisa Carvalho et al. Quality of fresh cut pupunha palm cabbage: application of antioxidants. Ciênc. agrotec. 2010, vol.34, n.5, pp. 1312-1319. FoodService - 24/abr/2012

domingo, 6 de maio de 2012

Exercício físico altera área do cérebro que regula o apetite


Nova York, EUA. Algumas pessoas reagem aos exercícios físicos comendo mais. Outras, comendo menos. Por muitos anos, os cientistas acharam que mudanças hormonais, incentivadas pelos exercícios, ditavam se o apetite de uma pessoa iria aumentar ou diminuir depois de treinar. Mas agora a neurociência está indicando que há uma outra causa provável para essa variação.
 
Dois estudos recentes sugerem que exercícios físicos podem mudar seu desejo de comer alterando o modo como certas partes do cérebro reagem à visão de comida. Em um desses estudos, os cientistas levaram um grupo de 30 indivíduos jovens e ativos para sessões experimentais em que suas cabeças eram mantidas nos tubos de ressonância magnética.
 
Os pesquisadores queriam rastrear a atividade em porções do cérebro conhecidas como "sistema de recompensa por comida", que inclui a ínsula, o putâmen e o sulco de Rolando. Essas regiões controlam se gostamos de comida e a queremos naquele momento. De forma geral, quanto maior a atividade cerebral nessas regiões, maior é a vontade de comer.

Para descobrir como os exercícios alteram a rede de recompensa por comida, os pesquisadores colocaram os participantes para pedalar vigorosamente em bicicletas ergométricas ou para se sentarem tranquilamente por uma hora antes de serem colocados nos aparelhos de ressonância magnética. Na segunda sessão de testes, os voluntários trocavam a atividade realizada.

Imediatamente depois, os participantes assistiam a uma série de fotos. Algumas mostravam frutas e legumes ou grãos nutritivos, enquanto outras mostravam gordurosos hambúrgueres, sorvetes com calda e biscoitos. Algumas fotos que não eram de comida foram colocadas entre as outras. Nos voluntários que haviam descansado por uma hora, o sistema de recompensa por comida se acendia na ressonância, especialmente nos itens com muito açúcar ou gordura. Porém, se eles tivessem treinado na hora anterior, essas mesmas pessoas demonstravam muito menos interesse em comida, de acordo com os exames. Seu sistema de recompensa por comida permanecia sem atividade.

Porém, esses resultados podem não ser típicos. Os indivíduos estudados estavam na casa dos 20 anos, dentro do peso ideal e tinham condicionamento físico o suficiente para pedalar vigorosamente por uma hora. Mas essa não é a realidade da maioria das pessoas.

Como um outro estudo da atividade cerebral depois do exercício físico demonstrou, algumas pessoas acima do peso e sedentárias respondem ao exercício acelerando o funcionamento do sistema de recompensa por comida, em vez de freá-lo. Nesse estudo, publicado no ano passado no "Jornal da Obesidade", 34 pessoas acima do peso começaram um programa supervisionado de exercícios de cinco dias por semana, planejado para que cada participante queimasse cerca de 500 calorias por treino. Eles podiam comer à vontade.

Doze semanas depois, 20 indivíduos do grupo haviam perdido peso consideravelmente, cerca de 6 kg, em média. Mas 14 deles não, tendo reduzido somente 1 kg ou nem isso. Esses 14 que responderam pior ao programa de exercícios também haviam demonstrado maior atividade cerebral diante de estímulo visual de alimentos no início do programa.
 
Depois de três meses, eles ainda mantinham essa tendência indesejada. Sua rede de recompensa por comida se acendia fortemente depois do exercício quando viam comida e, na verdade, pareciam mostrar mais entusiasmo do que no início do estudo. Os que perderam mais peso, por outro lado, não demonstravam nenhum entusiasmo às fotos de comida depois dos exercícios.
 
O que tudo isso sugere, de acordo com o pesquisador da Universidade Politécnica da Califórnia, Todd Hagobian, é que o "exercício tem um efeito definido nas regiões de recompensa por comida". Mas esse efeito depende do perfil da pessoa e do tipo de exercício que ela faz. Ele notou que seus objetos de estudo jovens e em forma completaram duras sessões de resistência física.

"É provável que, para atingir a perda de peso e a manutenção do novo peso, seja necessário não só fazer uma quantidade razoável de exercícios, mas fazê-los com frequência", afirma. Em outras palavras, para que o exercício físico notadamente diminua seu desejo por comida, talvez seja necessário suar durante uma hora. E também pode ajudar o fato de o indivíduo já estar dentro do peso ideal e em forma. 


Fonte: CRN2

sábado, 5 de maio de 2012

5 de maio: Dia mundial de higiene das mãos!


No dia 5 de maio, comemora-se o Dia Mundial de Higienização das Mãos. A data foi definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para que todos os serviços e profissionais de saúde possam desenvolver ações que reforcem a higiene das mãos como medida essencial para a prevenção e controle das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS). A higienização das mãos é considerado o procedimento mais importante e barato para evitar a transmissão de infecções nos serviços de saúde.
A data é um convite para que as equipes dos serviços de saúde reflitam e elaborem ações para o avanço da promoção da higienização das mãos. Uma das estratégias é a elaboração de um plano de ação com base na pontuação e classificação do nível de promoção e práticas de higienização das mãos por meio da aplicação da “Autoavaliação para Higienização das Mãos”. O guia para elaboração do plano foi elaborado pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e pela Anvisa e está à disposição dos serviços de saúde.


Fonte: Imprensa/Anvisa

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Consumo de carne branca e nozes pode diminuir risco de Alzheimer



Um novo estudo sugere que comer alimentos ricos em ômega 3, gordura natural e benéfica encontrada no peixe, frango e nozes, diminui a ação de uma proteína associada ao Alzheimer.  A pesquisa foi publicada essa semana na revista “Neurology”, da Academia Americana de Neurologia.
A doença de Alzheimer é uma das formas mais comuns de demência, que leva a alterações progressivas da memória, de julgamento e raciocínio intelectual, e costuma acometer pessoas idosas.
Para chegar a esse resultado, a equipe do neurologista Nikolaos Scarmeas, do Centro Médico da Universidade Columbia, nos Estados Unidos, recrutou 1.219 pessoas acima de 65 anos, sem sinais de demência, para medir o nível da proteína associada a perda de memória no sangue.
Depois de agruparem informações sobre a alimentação dos participantes nos últimos 14 meses, os pesquisadores coletaram o sangue de cada um e mediram a quantidade da proteína e de ômega-3, ômega-6, vitaminas, ácido fólico e gorduras monossaturada e polissaturada depositadas no sangue.
Por meios dessas análises, a equipe de estudiosos descobriu que quanto mais ômega-3 a pessoa tinha ingerido, menores estavam os níveis da proteína.
Segundo o estudo, consumir um grama de ômega 3 por dia, valor encontrado em metade de um filé de salmão, equivale a 20 ou 30% menos da proteína no sangue.
"O resultado pode melhorar nossa confiança nos efeitos benéficos da dieta na prevenção da demência”, diz Scarmeas.


Fonte: Diário da Saúde

quarta-feira, 2 de maio de 2012

A maçã


Meses ideais: Março, Abril, Maio, Junho, Julho
Descrição: A maçã é uma das frutas mais consumidas 
em função da sua variedade que se adaptam a 
diversos gostos.
Benefícios nutricionais:
A maçã é excelente para a saúde, sendo fonte de vitamina A e do complexo B. Além disso, é rica em pectina e em antioxidantes. Também ajuda a regular o trânsito intestinal.
Valor gastronômico:
A maçã é rica em fibra solúvel e insolúvel. É muito utilizada como acompanhamento de carnes e em saladas.
Dica:
Se vai consumir a maçã logo após a compra, é possível guardá-la a temperatura ambiente. Caso contrário, pode ser conservada na geladeira por até 1 semana.
Calorias:
100 g de maçã tem 64 kcal (1 unidade)






terça-feira, 1 de maio de 2012

Academias: consumidor deve apresentar atestado médico a partir de maio


A partir da próxima terça-feira (1), os alunos de academias de ginástica, esporte e afins terão de apresentar um atestado médico para poderem realizar atividades físicas nos estabelecimentos.
De acordo com a coordenadora Institucional da Proteste - Associação de Consumidores, Maria Inês Dolci, a academia pode suspender a entrada dos alunos que já estão matriculadas, prorrogando o tempo da matrícula após a apresentação do documento.
A coordenadora explica que deve haver bom senso entre os consumidores e as academias. “Os dois lados devem entrar num consenso de que o consumidor precisa levar o atestado, mesmo que demore um pouco, e a academia entender cada caso”, explica.
Segundo Maria Inês, a medida é importante e boa para as academias, que terão mais segurança, e para os consumidores, que terão uma garantia de saúde.
Condições
O atestado levado pelo consumidor terá validade de seis meses e a academia é obrigada a aceitar o atestado de qualquer médico que o consumidor escolher.

Para os menores de idade, além do atestado do exame médico, os pais ou responsáveis terão de apresentar uma autorização para a prática de atividades físicas.


Fonte: Infomoney